IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

Opep mantém estimativa de aumento da produção de líquidos pelo Brasil

São Paulo

14/02/2023 12h18

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) manteve a previsão de que o Brasil irá elevar a produção de líquidos, que inclui biocombustíveis, em 200 mil barris por dia (bpd), para uma média de 3,9 milhões de bpd, em 2023 - segundo relatório mensal divulgado nesta terça-feira, 14. Para o resultado final de 2022, a estimativa segue de crescimento de 200 mil bpd, para 3,7 milhões de bpd.

Para 2023, espera-se que o Brasil seja um dos grandes impulsionadores do crescimento da oferta de líquidos, junto a EUA, Noruega, Canadá, Cazaquistão e Guiana. No País, a previsão segue de que a oferta de petróleo bruto deverá aumentar nos campos de Mero (Libra NW), Búzios (Franco), Tupi (Lula), Peregrino, Sépia, Marlim e Itapu (Florim)."No entanto, espera-se que a manutenção das offshores cause algumas interrupções nos principais campos".

Já para 2022, o Brasil se encontra entre os principais impulsionadores do crescimento da oferta de líquidos, junto com EUA, Rússia, Canadá, Guiana e China. Segundo o documento, o crescimento do ano passado foi impulsionado pelo aumento contínuo do Campo Sépia e entrada em operação do Mero 1 no pré-sal da bacia de Santos, além do Peregrino (Fases 1 e 2) na bacia de Campos.

O cartel acrescenta que a "Petrobras avançou no plano de renovação da bacia de Campos, iniciando dez novos poços produtores e quatro poços injetores para expandir a produção".

PIB

A Opep manteve suas previsões para o crescimento do Produto Interno do Brasil (PIB) em 2022, de 2,8%, e em 2023, de 1,0%. Segundo a Opep, o crescimento de 2022 foi apoiado significativamente por medidas fiscais eleitorais e pelos preços mais altos das commodities, mas o fim do ano foi marcado por uma desaceleração, que deve continuar em 2023.

A Organização também destaca que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou planos "ambiciosos" para consolidar o orçamento que, se bem sucedidos, poderão consolidar uma base sólida para o crescimento deste e dos próximos anos.

Ainda, segundo o relatório, "um crescimento potencialmente maior em 2023 pode ser apoiado por uma inflação mais baixa, e, consequentemente, por uma política monetária mais acomodatícia, condições mais fortes de mercado de ativos e por otimismo empresarial".

O cartel indica que a atual situação monetária e fiscal do País está sob controle, mas reforça a existência de desafios à economia em 2023 e nos próximos anos, de forma que os desenvolvimentos fiscais precisarão ser monitorados de perto".