IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

Ministério da Agricultura investiga suspeita de doença da 'vaca louca' no Brasil

A doença da vaca louca atinge o sistema nervoso dos animais - Getty Images
A doença da vaca louca atinge o sistema nervoso dos animais Imagem: Getty Images

Julia Affonso

São Paulo

21/02/2023 10h23

O Ministério da Agricultura investiga um caso suspeito de vaca louca em um animal de 7 anos que estava em uma fazenda no Pará. Ao Estadão, o ministro Carlos Fávaro afirmou que um laboratório de Pernambuco e outro do Canadá estão analisando o caso e o resultado da análise deve sair até esta quarta-feira, dia 22. "A suspeita já foi submetida a análise laboratorial para a confirmação ou não e, a partir do resultado, serão aplicadas imediatamente as ações cabíveis", informou a pasta em um comunicado.

O ministro da Agricultura disse que a Vigilância Sanitária do Pará "rapidamente comunicou" à sua pasta. Segundo ele, o animal "não era de confinamento", foi abatido e a fazenda está isolada. "Se confirmar, todos os procedimentos foram rigorosamente cumpridos", afirmou Fávaro. "Estamos tranquilos com os procedimentos tomados."

O ministro disse que enviou a amostra para o Canadá para adiantar a análise. Se houver confirmação, declarou, as exportações terão de ser suspensas "para que sejam verificados todos os protocolos". "Caso se confirme, a gente toma as providências de acordo com as regras estabelecidas", declarou.

A Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida popularmente como o "mal da vaca louca", ficou famosa mundialmente após um surto na Grã-Bretanha durante os anos 1990, que provocou a suspensão do consumo de carne bovina no país.

A doença acomete o cérebro de bovinos, bubalinos, ovinos e caprinos. A enfermidade pode ser transmitida por meio da ingestão de carne contaminada e pode, inclusive, levar seres humanos à morte. Por isso, existe um controle sanitário muito rígido para prevenir e controlar os casos relacionados à patologia.

Além do consumo de carne contaminada, considerado "casos típicos", o mal pode ser gerado espontaneamente em animais velhos, chamados "casos atípicos". No segundo caso, a doença gera menos preocupação, pois geralmente a ocorrência é isolada e independente. No caso suspeito, no Pará, como a vaca já tinha 7 anos, é possível que a doença tenha se originado na natureza.

Risco insignificante

O Brasil é considerado território de risco insignificante para a ocorrência da EEB, de acordo com classificação da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Nas últimas décadas, o País registrou apenas alguns casos isolados da doença, que foram devidamente controlados e eliminados.

Os últimos casos de vaca louca registrados no Brasil ocorreram em 2021, em Minas Gerais e no Mato Grosso. Na ocasião, os casos também foram atípicos, mas a China, maior comprador de carne do Brasil, suspendeu a compra de carne bovina brasileira por três meses, de setembro a dezembro daquele ano.