Lucro contábil do BNDES é de R$ 4,9 bi no 3º trimestre, puxado por dividendos da Petrobras

O diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Alexandre Abreu informou que a baixa inadimplência no banco se repetiu no terceiro trimestre do ano, ficando estável em 0,01%, mesmo porcentual de 30 de junho, e inferior aos 0,13% em 31 de dezembro de 2022. Ele destacou que o lucro contábil do banco atingiu R$ 4,9 bilhões, impulsionado pelo pagamento de dividendos da Petrobras.

O Índice de Basileia manteve-se em situação confortável, segundo Abreu, registrando 34,4% em junho de 2023, acima dos 10,5% exigidos pelo Banco Central.

Em relação ao Retorno sobre o Patrimônio (ROE), o diretor informou que no terceiro trimestre houve uma alta de 0,8 pontos porcentuais, indo para 8,7%.

"O banco aumentou o resultado recorrente na atividade principal, que é o crédito", disse Abreu durante apresentação do resultado do BNDES no terceiro trimestre em São Paulo.

O executivo destacou ainda, que o patrimônio líquido subiu 12,7% entre dezembro de 2022 e setembro de 2023, para R$ 148 bilhões, e a carteira de participações teve valorização de 14% no acumulado dos primeiros nove meses do ano.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes