Bolsas

Câmbio

"Os empresários precisam ter um pouquinho de paciência", diz ministro

SÃO PAULO - A elevada capacidade ociosa, os juros altos e a desvalorização do dólar ante o real criam um cenário completamente hostil para novos investimentos na indústria mesmo em meio a um clima de maior otimismo por parte do empresariado com a possibilidade de aprovação de uma agenda de reformas em resposta à crise econômica. Marcos Pereira, atual comandante do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, acredita que uma nova onda de investimentos ainda deve demorar um pouco a chegar ao setor, ao passo que a volta de algum crescimento já é esperado para o ano que vem. Nesta entrevista, o ministro fala um pouco mais sobre os desafios da indústria em meio às adversidades conjunturais, os desafios do PRB -- partido do qual é presidente nacional -- na política e a tensa disputa eleitoral travada no Rio, onde seu candidato, Marcelo Crivella, lidera as pesquisas de intenção de voto contra o psolista Marcelo Freixo na reta final.

InfoMoney - A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) declarou que faltou coragem para o Banco Central promover uma redução mais profunda nos juros. Como acalmar os ânimos do empresariado?
Marcos Pereira - O diálogo é a característica do governo. Nós dialogamos com o empresariado, com os políticos, trabalhadores... Essa demanda da Fiesp não é de agora. Recentemente, participei de um seminário lá justamente após o [Henrique] Meirelles. Ao final de sua fala, nas perguntas, veio o tema dos juros. O ministro disse que isso era assunto do Banco Central. Enquanto foi presidente do BC, ele defendia a independência, então, agora, como ministro da Fazenda, até para manter a coerência, sustenta a mesma posição.

Acho que 0,25 [ponto percentual] é pouco, mas é um sinal, um gesto de que pode melhorar. Primeiro, é preciso tomar algumas medidas para que o BC tenha mais segurança de diminuir em um percentual maior. Eu já dizia isso para os empresários: "quando aprovar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do teto dos gastos, o BC vai reduzir os juros, é natural". E só de ela ter sido aprovada em primeiro turno já houve uma redução.

Recebemos o país em uma situação extremamente difícil, que demanda um pouco de paciência para colocá-lo nos trilhos. Não é em 2 meses de governo definitivo ou em 6 meses de governo no total que vamos corrigir os erros de 6 ou 13 anos. Os empresários precisam ter um pouquinho de paciência. E não adianta reduzir [os juros] de forma incoerente e inconsistente para acontecer o que aconteceu da última vez em que baixamos os juros de forma impositiva até os 7%.

IM - Como o senhor tem percebido a reação do empresariado?
MP - O feedback que tenho é positivo. Em Weimar (Alemanha), o presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Robson Andrade, falou muito bem do Brasil, pontuando que já existe confiança no governo, que o presidente ouve, que há um diálogo. Eles estão apreensivos, porque sabem que a situação não é fácil, mas estão confiantes na retomada do crescimento do País. Existem sempre demandas, mas hoje há diálogo e pelo menos a possibilidade de serem ouvidos e darem suas opiniões.  

IM - A indústria está se recuperando? Quando poderemos ver mais investimentos do empresariado? A elevada capacidade ociosa, os juros altos e o câmbio apreciado prejudicam investimentos...
MP - Dada a capacidade ociosa que temos, acredito que investimentos só deverão chegar em 2018, mas o crescimento deve começar no ano que vem.  

IM - A disputa pela prefeitura do Rio se intensificou no último fim de semana com a polêmica capa da revista Veja. Como presidente do PRB, o senhor vê uma perseguição à sigla por parcela da imprensa?
MP - A matéria em si não justificava uma capa daquelas, especialmente uma capa exclusiva para o Rio de Janeiro. Foi too much. A dose foi exagerada. Acho que mostra o desconhecimento, o preconceito [com Crivella]. Mas eles têm que tomar muito cuidado, não só a Veja como O Globo, que fez uma matéria ontem muito fraca sobre caixa dois em campanha do Crivella. Eu duvido.

Acredito que Crivella vai ganhar, nossas pesquisas mostram que ele está estável. Acho que a sociedade carioca está madura para separar esse socialismo radical do PSOL… Se o PT foi ruim, o PSOL será pior para o Brasil.

IM - Por quê?
MP - Por causa das posições radicais deles, especialmente desse rapaz [Freixo]. Se eles acusam o Crivella de ter escrito um livro intolerante -- e ele já se desculpou por isso --, eles queimaram a bandeira de Israel. Queimar uma bandeira, que é um símbolo nacional, de qualquer país que seja, é um radicalismo exacerbado. Cadê as desculpas do PSOL?

Eles são contra o Brasil. Estamos tentando resgatar o País enquanto eles dizem "fora, Temer", como no primeiro discurso de Freixo no segundo turno. Não é porque sou do governo, mas nós temos que pensar em país. Ontem, li que o PMDB do Rio torce por uma vitória de Freixo, porque eles torcem por uma má gestão dele para voltarem ao poder. É esse o tipo de política que temos que tirar do Brasil: o político só pensa na próxima eleição. Temos que pensar nas próximas gerações, com políticas de Estado, e não de governo.

IM - O que explica a posição do PRB, que apoiou o governo Dilma e agora compõe a base da gestão Temer?
MP - Quando o partido foi criado, em 2005, José Alencar já era vice-presidente de Lula. Em 2010, aparentemente as coisas estavam bem, não tinha por que não apoiar Dilma, já que o presidente de honra do partido estava no governo. Em 2014, em meu discurso na convenção, disse que iríamos apoiar a reeleição de Dilma, mas a governabilidade dependeria de algumas coisas, entre elas: controle da inflação, retomada do crescimento da economia, baixa dos juros, estancar o aumento do desemprego e liberdade de imprensa.

Depois de ela não ter apresentado nada em 2015 e ter perdido condições de governabilidade, fomos o primeiro partido a sair. Isso nos custou, inclusive, o rompimento do então ministro dos Esportes com o partido.

Participar do governo do presidente Temer foi uma discussão do partido. Por unanimidade, a bancada entendeu que deveria ajudar. É preciso resgatar esse histórico para mostrar que não há incoerência. Nós fomos o primeiro a sair e o primeiro a fechar a questão do impeachment, e, dos que compuseram o governo Dilma, foi o único que votou 100% favoravelmente ao impeachment -- coisa que nem o próprio PMDB conseguiu fazer.

IM - Quais são as projeções para 2018? Haverá candidatura própria para a presidência da República?
MP - Está muito cedo ainda. Vamos esperar um pouco.  

IM - Qual é o saldo das eleições municipais para o PRB?
MP - Foram muito boas. O partido, entre os médios e grandes, foi o que mais cresceu. Passamos de 80 para 104 prefeitos e de 1207 para 1624 vereadores.

IM - O partido já tem posição para a reforma da Previdência que virá?
MP - Não. Temos ideia de algumas coisas que virão, mas vamos discutir depois com a bancada. O conceito de que é necessário está presente. Agora, vamos discutir os detalhes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos