IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Petróleo e Ouro - Resumo e a agenda do mercado de commodities para a semana

11/08/2019 12h26

Por Barani Krishnan

A semana passada para o petróleo foi um ponto fora da curva ou o início de uma tendência?

Essa será a principal questão na mente dos investidores, uma vez que a Opep promete recuperar o bom humor em um mercado que mergulhou brevemente para a mínima de 7 meses e em um bear market nesta semana devido à preocupação com a guerra comercial.

Uma reportagem da Bloomberg citando uma fonte saudita anônima dizendo que o reino não tolerará uma queda de preços como em 2018, com detalhes sobre a restrição adicional que Riad aplicaria à sua produção, levou a uma notável recuperação dos preços do petróleo nos últimos dois dias desta semana. Mais surpreendente foi o fato de o mercado ter ignorado completamente as últimas advertências sobre a queda da demanda global de petróleo da Agência Internacional de Energia (IEA).

Mas, à medida que a nova semana se aproxima, a atenção do mercado deve se voltar para a atualização do relatório de petróleo bruto, gasolina e destilados nos EUA. Na semana anterior a 2 de agosto, esses números não eram nada bonitos, com o estoque crescendo. O conjunto de dados da Administração Informação de Energia (EIA, na sigla em inglês) para a semana encerrada em 2 de agosto foi o catalisador para as perdas de dois dígitos inicialmente vistas no petróleo nesta semana, antes de uma recuperação parcial na quinta e sexta-feira.

Embora ninguém saiba o que a EIA anunciará sobre os estoques da semana, o que parece é que os touros estancaram o sangramento do mercado por enquanto - apesar dos novos tremores da guerra comercial que poderiam levar os preços do petróleo a uma nova espiral de queda antes da divulgação dos dados de estoques em 14 de agosto.

O ouro também desacelerou depois de avançar sobre o território de US$ 1.500, com o preço spot do metal amarelo caindo nesta sexta-feira enquanto aguardavam notícias de mais problemas na economia global ou sinais de um abrandamento iminente do Federal Reserve.

Resumo de energia

A Bloomberg informou que a Arábia Saudita planeja manter suas exportações de petróleo bruto abaixo de 7 milhões de barris por dia a partir de setembro.

Nos bons tempos, o reino poderia produzir até 10,3 milhões de bpd. Agora certamente não é um desses momentos.

Para reduzir as exportações, a Arábia Saudita Oil Co., de Riad, conhecida como Aramco, reduzirá as alocações de clientes em todas as regiões em um total de 700.000 bpd em setembro.

Para os clientes norte-americanos, o reino enviará cerca de 300 mil bpd menos de petróleo do que o indicado nos carregamentos de setembro.

As reduções para os compradores europeus serão maiores e haverá cortes modestos para os compradores asiáticos, embora ainda não haja detalhes específicos disponíveis.

Como o maior produtor da Opep, os sauditas também estão apostando que o resto do cartel siga sua liderança na redução da oferta total para além dos 1,2 milhão de bpd com os quais o grupo se comprometeu até março de 2020.

Esses detalhes, que vazaram para a Bloomberg por uma fonte saudita bem posicionada, ajudaram o West Texas Intermediate, negociado em Nova York, a ganhar quase 7% entre quinta e sexta-feira, e o Brent, quase 4%.

Elemento saudita à parte, o sentimento pelo petróleo foi auxiliado na sexta-feira por fortes dados de exportações chinesas para julho, que provaram que a segunda maior economia do mundo não foi prejudicada, afinal, por suas prolongadas disputas com os Estados Unidos. Outro fator de bem-estar para o mercado foi o declínio semanal na atividade de perfuração de petróleo, com a contagem das plataformas de petróleo caindo em seis a uma mínima de 18 meses de 764.

Apesar de sua recuperação tardia, o WTI encerrou a semana cerca de 2% mais baixo, a US$ 54,50 por barril, já que a desvalorização do iuan da China continuou sendo o fator primordial. O Brent terminou a semana abaixo mais de 5% em US$ 58,53.

Se a EIA publicar outro conjunto de dados fracos nesta semana e a China voltar a responder para os EUA, o otimismo sobre os cortes da Arábia Saudita e da Opep continuará mantendo os preços do petróleo em alta?

A EIA informou que os undefined|undefined bruto subiram 2,4 milhões de barris na semana até 2 de agosto, em comparação com as projeções para uma redução no estoque de quase 2,9 milhões de barris. Foi o primeiro aumento de estoque do petróleo bruto depois de sete semanas consecutivas de volumes que removeram quase 50 milhões de barris do mercado.

O EIA também informou que os estoques de gasolina aumentaram inesperadamente em 4,44 milhões de barris na semana passada, em comparação com as expectativas de uma queda de 0,72 milhão barris. Os estoques de destilados aumentaram em 1,53 milhão de barris, em comparação com as projeções para um ganho de 0,48 milhão.

Um detalhe importante no conjunto de dados da EIA n a semana passada que não foi muito falada foi a queda nas exportações petróleo bruto dos EUA. Um declínio de 710.000 barris em relação às exportações da semana anterior figurou em grande parte no aumento de 2,4 milhões de barris.

E se os relatórios da CNBC sobre os planos da China para reduzir drasticamente a sua compra de petróleo bruto nas próximas semanas for verdade, poderia causar um aumento nos estoques brutos novamente, pressionando o WTI.

Na última contagem, o Irã tinha reduzido em cerca de 100.000 bpd, contra os 2,5 milhões de bpd produzidos cerca de dois anos atrás antes do retorno das sanções. Com o apoio da China, o Irã pode ampliar rapidamente sua produção, causando não apenas dores de cabeça políticas para Trump, mas também sérios problemas para o petróleo bruto.

Calendário de energia da semana que vem

Segunda-feira, 12 de agosto

Estoques de petróleo bruto da Genscape Cushing (dados privados)

Terça-feira, 13 de agosto

Relatório semanal do Instituto Americano de Petróleo sobre os estoques de petróleo.

Quarta-feira, 14 de agosto

Relatório semanal do EIA sobre os estoques de petróleo.

Quinta-feira, 15 de agosto

Relatório semanal de gás natural da EIA

Sexta-feira, 16 de agosto

Contagem semanal de sondas de petróleo da Baker Hughes

Resumo de Metais Preciosos

Uma semana de alívio dos bancos centrais mundiais para proteger suas economias da desvalorização do iuan deu esperança ao ouro para mais ganhos no metal amarelo no final da semana passada, apesar do recuo do mercado a partir das altas de seis anos.

O ouro à vista, reflexo dos negócios em barras, caíam na sexta-feira, com o patamar simbólico de US$ 1.500, na alta, fixando-se em US$ 1.497,34 por onça. Na quarta-feira, o ouro atingiu US$ 1.510,38, seu maior preço desde maio de 2013.

Os futuros de ouro permaneceram acima da marca de US$ 1.500 na semana passada. Os contratos futuros de ouro para entrega em dezembro, negociados na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), cederam em apenas US$ 1 na sexta-feira, a US$ 1.508,50. Na quarta-feira, o ouro de dezembro tocou os US$ 1.522,35, um pico desde agosto de 2013.

Na semana, porém, os futuros de ouro subiram 3,5% e mantiveram o ouro em 4%, seu maior ganho em sete semanas.

Para a próxima semana, os investidores no ouro de longo prazo estarão à procura de sinais de que o Fed e outros bancos centrais vão realizar cortes mais profundos nas taxas para amenizar o impacto da crescente guerra comercial.

"Além de novos dados dos EUA, haverá alguns indicadores macro muito importantes da China, Alemanha e da Zona Euro para considerar também", disse Fawad Razaqzada, analista do Forex.com.

"Se os dados nessas regiões continuarem fracos, então espere ver novas quedas nos rendimentos dos títulos de risco, o que poderia ter repercussões para os mercados financeiros mais amplos."

Calendário de metais preciosos da semana que vem

Segunda-feira, 12 de agosto

Os mercados financeiros do Japão estarão fechados devido a feriado.

Terça-feira, 13 de agosto

Relatório de Emprego do Reino Unido (junho)

Percepção econômica do ZEW da Alemanha (agosto)

Índice do IPC dos EUA (junho)

Quarta-feira, 14 de agosto

Investimento da China em ativos fixos (julho)

Produção industrial na China (julho)

Vendas no varejo na China (julho)

IPC do Reino Unido ((julho)

PIB preliminar alemão

Inflação instantânea da Zona Euro

Quinta-feira, 15 de agosto

Vendas no varejo no Reino Unido (julho)

Vendas no varejo nos EUA (julho)

Índice da atividade industrial do Fed de Filadélfia (agosto)

Índice Empire State da atividade industrial de NY (agosto)

Produção Industrial dos EUA (julho)

Pedidos iniciais de seguro-desemprego nos EUA

Sexta-feira, 16 de agosto

Licenças de construção nos EUA (julho)

Construção de novas casas nos EUA (julho)

Percepção do consumidor americano da Universidade de Michigan (agosto)

Mais Economia