IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Maioria dos membros do Fed defende flexibilização na política monetária, diz ata

21/08/2019 15h19

A maioria dos membros votantes no Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) defende a adoção de uma política monetária mais agressiva nos EUA. É o que revela a ata da última reunião do banco central americano, que decidiu pela redução de 25 pontos da taxa de juros de referência, colocando-a no intervalo de 2-2,25% em 31 de julho. Dois membros votaram, inclusive, para um corte mais agressivo de 50 pontos-base.

A ata revela que poucos formuladores de política monetária do Fed têm preocupação com a inversão da curva de juros. Além disso, a maioria vê a economia americana sólida como cenário-base para a condução da política monetária, com a guerra comercial sendo um risco persistente.

Os formuladores de política monetária do Federal Reserve destacaram preocupações com a desaceleração do crescimento global e as tensões comerciais como fatores que poderiam pesar no crescimento econômico, mas concordaram que era importante avaliar os dados econômicos para determinar a trajetória futura da política monetária. Essas informações constam na ata, divulgada nesta quarta-feira, da última reunião de política monetária do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês).

"Os membros, em geral, concordaram que era importante manter em aberto a definição da meta futura para a taxa dos feds funds e, mais genericamente, que os ajustes de curto prazo da condução da política monetária permaneceriam apropriadamente dependentes das implicações das informações recebidas para a perspectiva econômica ", informa a ata.

Em sua reunião de julho, o Federal Reserve citou "as implicações da evolução global para as perspectivas econômicas, bem como as pressões inflacionárias moderadas" como razões para cortar as taxas pela primeira vez desde 2008.

Na conferência de imprensa que se seguiu ao corte nas taxas de julho, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, caracterizou o corte de juros como um "ajuste de ciclo intermediário", minimizando as expectativas de uma série de cortes nas taxas nos próximos meses.

Powell tem a oportunidade de elaborar o pensamento do Fed sobre política monetária em um discurso em Jackson Hole, na sexta-feira.

"Se ele acredita que os riscos podem garantir um caminho 'um pouco' mais baixo para a política, então um corte de 25pb será confirmado e os preços de mercado, que atualmente ficam acima desse nível, precisarão se ajustar", disse o Morgan Stanley (NYSE:MS) em nota.

Powell tem enfrentado uma pressão implacável do presidente Donald Trump para entregar um corte de grande taxa.

Trump afirmou no início desta semana que Powell tinha uma "horrenda falta de visão" e pediu ao banco central para reduzir as taxas em 100 pontos base e renovar "algumas" flexibilizações quantitativas. Hoje ele comparou Powell a um golfista que não pode usar " não toque."

O Fed, em seu comunicado de julho, prometeu encerrar seu programa de redução de balanços no final do mês, dois meses antes do inicialmente previsto.

Economia