PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Fique por dentro de 5 principais notícias do mercado nesta terça-feira

24/09/2019 08h56

China dá luz verde para algumas grandes compras de produtos agrícolas dos EUA, e Donald Trump se prepara para exigir que a ONU aja contra o Irã. Enquanto isso, há grandes vitórias em tribunais para Google (NASDAQ:GOOGL) e Starbucks (NASDAQ:SBUX) na Europa, mas a Apple (NASDAQ:AAPL) deve esperar antes de abrir o champanhe. E os planos de Boris Johnson para o Brexit recebem outro revés. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros nesta terça-feira, 24 de setembro.

1. China dá mais isenções aos importadores de soja americana

A China permitiu que alguns grandes compradores agrícolas comprassem milhões de toneladas de soja nos EUA sem incorrer em tarifas de importação, de acordo com a Bloomberg.

Se confirmadas, as notícias adicionariam alguma substância à frustrante dinâmica de dois passos para a frente e um para trás que ambos os lados estão fazendo no progresso das negociações.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse à Fox Business News mais cedo que iria encontrar seu par, Liu He, para negociações de alto nível em duas semanas, mas repetiu que o presidente Trump está "feliz com as tarifas" se não conseguir o acordo comercial que deseja.

2. Trump deve se dirigir à ONU; expectativa de medidas contra o Irã

O presidente Donald Trump participa da Assembléia Geral da ONU, cujo pontapé inicial é nesta terça-feira. As expectativas são de que Trump pressionará por algum tipo de ação contra o Irã em resposta aos ataques às instalações de petróleo da Arábia Saudita há 10 dias.

Os aliados dos EUA na Europa se uniram a Trump culpando o Irã pelos ataques e também convocaram um novo acordo expandido para regular as atividades nucleares do Irã. Eles ainda não mostram sinais de endossar uma ação militar, mas sua posição os aproxima muito da dos EUA do que há meses atrás.

Os preços do petróleo foram negociados sem grandes variações nos últimos cinco dias - embora com uma volatilidade ligeiramente elevada - pois o risco de conflito parece diminuir, sem ser totalmente descartado. Os futuros do petróleo bruto dos EUA caíam 1,1% a US$ 58,02 por barril às 7h00 em Nova York, enquanto o petróleo Brent caía 1,1% a US$ 64,08 por barril em Londres.

3. Tribunais com decisões favoráveis a Google (NASDAQ:GOOGL) e Starbucks; derrotas para Fiat Chrysler - e Boris Johnson

O Tribunal Superior da União Europeia decidiu que o Google (NASDAQ:GOOGL) não precisa anular os resultados de pesquisa em todo o mundo para cumprir sua decisão de "direito ao esquecimento", uma rara vitória para a gigante da Internet na Europa.

A Starbucks também ganhou seu recurso contra uma decisão antitruste que ordenou que ela pagasse 30 milhões de euros em impostos para a Holanda, mas a Fiat Chrysler perdeu um recurso semelhante. Assim, é difícil adivinhar o futuro em relação a um dos mais importantes impostos antitruste e tributários pendentes - aquele que ordena que a Apple (NASDAQ:AAPL) pague mais de 13 bilhões de euros em impostos para a Irlanda.

Enquanto isso, a Suprema Corte do Reino Unido decidiu que a decisão de Boris Johnson de suspender o parlamento era ilegal, o que abre a porta para que os parlamentares ampliem seus esforços para impedi-lo de tirar o país da UE a todo custo em 31 de outubro. A libra subia contra o dólar e o euro.

4. Futuros apontam abertura em alta das ações; resultado da Nike (NYSE:NKE) é aguardado

Wall Street pode ter o gosto de outra corrida para atingir outras máximas históricas, na sequência das decisões da manhã e das notícias do mercado.

Às 7h, os futuros do Dow subiam 85 pontos, ou 0,3%, enquanto S&P 500 futuros também tinham ganhos de 0,3% e voltaram acima de 3.000. Já os futuros do Nasdaq 100 tinham alta de 0,4%.

A Nike deve divulgar o início de seu novo ano fiscal após a abertura, enquanto no mercado de abertura de capital, a AB Inbev ofereceu suas operações asiáticas de fabricação de cerveja pelo menor valor esperado.

5. Dados excepcionais nos EUA?

A economia dos EUA apresentou expansão na pesquisa do Índice de Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial. O índice chegou a 51, maior patamar desde abril. O índice acima de 50 significa expansão, enquanto abaixo é contração.

Nesta terça-feira, será divulgada a pesquisa do Fed de Richmond, às 11h, que mostrará alguma luz se a economia americana se destaca como uma estrela brilhante diante de dinâmicas econômicas obscuras de Japão e Zona do Euro. O índice de confiança do consumidor do Conference Board e a pesquisa Redbook do Fed também terão divulgação hoje às 11h e 9h55, respectivamente. O índice de preços de imóveis da Case-Shiller também deve ser divulgado às 10h.