PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Petróleo sobe com esperanças de cortes na produção e diminuição de estoques

04/12/2019 10h07

Os preços do petróleo estenderam os ganhos antecipados nesta quarta-feira, impulsionados pelas esperanças de cortes mais profundos na produção por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados no final desta semana e após dados do setor que mostram que os estoques de petróleo caíram mais do que o esperado.

O índice de referência global do petróleo Brent subia US$ 1,22, ou 2%, para US$ 62,02 por barril às 9h49.

Os contratos futuros de petróleo WTI dos EUA subiam 99 centavos, ou 1,8%, a US$ 57,09.

A Opep e seus aliados, incluindo a Rússia - um grupo conhecido como OPEP+ - deve estender os limites de produção nesta semana, quando se encontrarem em Viena, segundo o Iraque, o segundo maior produtor do grupo.

Ainda há algum ceticismo no mercado sobre se a Opep reduzirá ainda mais a produção, embora seja aceito que o grupo esteja interessado em apoiar os preços, com muitos analistas esperando uma extensão dos cortes existentes.

"Em meio à (incerteza) da guerra comercial, a Opep estará ainda mais determinada a manter um piso nos preços do petróleo e trabalhará para obter exatamente esse resultado", disse Stephen Innes, estrategista-chefe de mercado asiático da AxiTrader.

Os membros da OPEP se reúnem na quinta-feira e, na sexta-feira, o grupo OPEP+ se reúne. A OPEP+ reduziu a oferta desde 2017 e espera-se que mantenha os cortes para equilibrar a produção recorde nos Estados Unidos.

Os preços do petróleo receberam um impulso adicional depois que o grupo norte-americano Instituto Americano de Petróleo informou na terça-feira que os estoques de petróleo bruto nos EUA caíram mais do que o esperado na semana passada. Os estoques caíram 3,7 milhões de barris, mais que o dobro das expectativas de um declínio de 1,7 milhão de barris.

Os investidores de energia buscarão confirmação do volume de petróleo cru quando os números oficiais forem divulgados pela Administração de Informações de Energia do Departamento de Energia dos EUA no final do dia de negociação.

Os mercados também estavam de olho na evolução do comércio após um relatório de que EUA e China estavam se aproximando da assinatura de um acordo comercial da "primeira fase", um dia após os comentários do presidente Donald Trump e do secretário de Comércio Wilbur Ross reduzirem as esperanças de um possível acordo de curto prazo.

Trump disse na terça-feira que um acordo para encerrar a disputa comercial pode ter que ser adiado para depois da eleição presidencial americana em novembro de 2020.

O conflito comercial entre as duas maiores economias do mundo agiu como um empecilho para a economia global e reteve o crescimento da demanda por petróleo.

--A Reuters contribuiu para esta matéria.