PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Benchimol: XP quer listar no Brasil e priorizou fundos brasileiros em IPO

11/12/2019 16h31

O fundador e CEO da XP, Guilherme Benchimol, disse nesta quarta-feira (11) que a corretora priorizou fundos brasileiros no rateio do IPO e que gostaria de ver as ações listadas no Brasil.

Sem oferecer números firmes por possíveis restrições legais, Benchimol disse que centenas de milhares de brasileiros receberam ações da XP via fundos de investimento do país que possuem atuação offshore.

Veja aqui a cotação da XP em tempo real

"Nossa opção era fazer no Brasil (...) Temos total interesse de listar nossas ações no Brasil"", contou o CEO da XP, que tem recebido críticas de ignorar o varejo brasileiro ao optar por abrir capital em Nova York.

Benchimol reforçou que as regras brasileiras que não permitem que ações ordinárias tenham regras de votos diferentes - as chamadas superordinárias - fez com que a B3 deixasse de ser uma opção. "Conseguiria abrir o capital no Brasil, mas se emitíssemos mais ações perderíamos o controle", disse ao avaliar que essa diluição não seria boa para os fundadores ou ou investidores.

A Xp (NASDAQ:XP) precificou as ações a US$ 27, acima da faixa de preços indicativa que era de US$ 22 a US$ 25. O papel iniciou o dia em leilão até ser colocado em negociação a US$ 32,75, alta de 21%.

Após revelar que prometeu aos sócios que não veria o valor do papel, Benchimol contou que o interesse de investidores foi grande no road show, principalmente porque a concentração bancária brasileira é alta, principalmente nos investimentos, o que gera uma oportunidade grande para o crescimento da corretora.

Tudo em D+0

A XP levantou cerca de US$ 1,1 bilhão em emissão primária - que segue para o caixa da empresa - e grande parte desse recurso deverá ser usado para a construção do Banco XP.

Uma das estratégias, segundo Benchimol, é trazer todos os veículos de investimento na plataforma da XP para D+0. O adiantamento dos recursos seria feito via empréstimo do banco, a taxa baixa, pois o risco de inadimplência é praticamente zero.

Para o CEO, o cliente poderá optar por alternativas de investimentos mais longas e mais rentáveis e ter certeza que poderá ter o recurso mais rapidamente a um custo baixo.

Novas aquisições e expansão internacional, contudo, estão fora do radar da XP. "Queremos crescer organicamente (...) Estamos abertos [a aquisições], mas não é prioridade, disse.

PUBLICIDADE