PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

ABERTURA: Ibov futuro em baixa com realização de lucros sob agenda esvaziada

18/12/2019 09h39

O índice Ibovespa Futuros inicia a sessão desta quarta-feira com perdas de 0,10% 113.225 pontos, com o dólar comercial cedendo levemente 0,09% a R$ 4,0680. Em dia com agenda de divulgação de indicadores econômicos esvaziada, a sessão deve ser marcada pela repercussão à aprovação do Orçamento da União para 2020, baseado em um déficit primário de R$124 bilhões, além da prévia do IGP-M de dezembro.

No exterior, prossegue a busca por maiores detalhes sobre o entendimento da "fase 1" do acordo comercial entre Estados Unidos e China e sobre o Brexit. Nos EUA, a Câmara dos Representante vai votar artigos do processo de impeachment do presidente Donald Trump.

- Cenário Interno

IGP-M

Os preços no atacado subiram com força e ajudaram o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) a subir 2,06% na segunda prévia de dezembro, depois de cair 0,01% no mesmo período do mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas nesta quarta-feira.

Os dados mostraram que o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, voltou a subir no período, a uma taxa de 2,85%, ante queda de 0,06% em novembro.

O maior destaque entre os preços do atacado foi o grupo Matérias-Primas Brutas, que deixou para trás queda de 1,11% para saltar 5,22% este mês. A aceleração na alta dos bovinos — de 4,27% em novembro para 22,01% — foi uma das principais colaboradoras para esse movimento.

Orçamento

A Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou a peça orçamentária de 2020 que irá agora à apreciação do plenário do Congresso Nacional em sessão conjunta marcada para esta terça-feira, segundo a Agência Câmara Notícias.

O parecer aprovado prevê uma expansão de 2,32% no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no próximo ano. O salário mínimo deve passar de 998 reais para 1.031 reais e a previsão da inflação medida pelo IPCA ficou em 3,53%.

O texto aprovado pela CMO prevê ainda a meta da taxa de juros (Selic) de 4,40% e o câmbio médio projetado em 4,00 reais por dólar. A meta de déficit primário do governo central ficou em 124,1 bilhões de reais.

- Cenário Externo

China

O banco central da China reduziu a taxa de juros sobre recompras reversas de 14 dias nesta quarta-feira, após um corte similar na taxa de recompra de sete dias no mês passado, para afrouxar as condições monetárias.

Operadores disseram que a medida era esperada já que mantém a curva de rendimentos, enquanto alguns economistas destacaram que isso pode indicar mais afrouxamento à frente conforme o crescimento desacelera.

O Banco do Povo da China disse em seu site que reduziu a taxa de recompra reversa de 14 dias para 2,65%, de 2,70%, mantendo a de 7 dias em 2,50%.

Zona do euro

A inflação na zona do euro acelerou em novembro, informou a agência de estatísticas do bloco nesta quarta-feira, confirmando sua estimativa anterior com os preços dos alimentos subindo a uma taxa mais forte.

A inflação no bloco de 19 países ficou em 1% em novembro sobre o ano anterior, contra 0,7% em outubro, em linha com a estimativa inicial que a Eurostat informou em 29 de novembro.

A aceleração se deu em meio ao aumento dos preços dos alimentos não processados de 1,8% em novembro, de 0,6% em outubro. Os preços da energia caíram 3,2%, o mesmo que no mês anterior.

Impeachment de Trump

A Câmara dos Deputados votará no envio de dois artigos de impeachment ao Senado, preparando o cenário para o terceiro julgamento de impeachment de um presidente na história recente dos EUA.

Espera-se que a votação aconteça de forma partidária, depois que as hesitações de última hora de alguns representantes democratas não deram em nada. Uma votação a favor do impeachment abrirá o caminho para um julgamento no Senado controlado pelos republicanos em janeiro.

Dado o controle do Partido Republicano no Senado e a exigência de uma maioria de dois terços, as chances de Donald Trump ser removido do cargo são baixas.

BOLSAS INTERNACIONAIS

Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,55%, a 23.934 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,15%, a 27.884 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,18%, a 3.017 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,22%, a 4.032 pontos.

A quarta-feira é marcada por ganhos modestos nos principais mercados europeus. Em Frankfurt, o DAX tem alta de 0,12% aos 7.534 pontos, com o FTSE, de Londres, somando 0,14% aos 5.976 pontos. Já em Paris, o CAC avança 0,17% aos 3.751 pontos.

COMMODITIES

A jornada desta quarta-feira foi marcada pela ligeira desvalorização para as cotações dos contratos futuros do minério de ferro, que são transacionados na bolsa de mercadorias da cidade de Dalian, na China. O ativo com o maior volume de negócios, com data de vencimento em maio do próximo ano, cedeu 0,86% a 635,00 iuanes por tonelada, o que representa uma variação de 5,50 iuanes em relação aos 640,50 iuanes de liquidação da véspera.

No caso do vergalhão de aço, a sessão foi marcada pelos preços dos papéis futuros ficando perto da estabilidade, com perdas modestas nos mais importantes na bolsa de Xangai, na China. O contrato de maior liquidez, com entrega para maio de 2020, cedeu 2 iuanes para 3.476 iuanes por tonelada, enquanto que o de janeiro, segundo em volume, caiu 1 iuan para 3.688 iuanes por tonelada.

Para o petróleo, a quarta-feira também apresenta queda dos preços nas principais praças. Em Londres, barril do tipo Brent cede 0,36%, ou US$ 0,24, US$ 65,86. Já em Nova York, o WTI cede 0,66%, ou US$ 0,40, a US$ 60,47.

MERCADO CORPORATIVO

- Fras-Le (SA:FRAS3)

A fabricante de autopeças Fras-Le (SA:FRAS3), controlada pela Randon (SA:RAPT4), anunciou nesta quarta-feira que assinou contrato para compra da Nakata Automotiva por 457 milhões de reais.

"O principal o objetivo da companhia com o negócio é reforçar sua atuação no segmento de reposição de autopeças, devido ao aumento do portfólio de produtos, o que representa um diferencial competitivo neste mercado", afirmou a Fras-Le (SA:FRAS3) em fato relevante.

O valor da transação está sujeito a ajustes.

- Renova Energia (SA:RNEW11)

A Renova Energia (SA:RNEW11) protocolou nesta terça-feira seu plano de recuperação judicial perante a 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, informou a empresa em comunicado ao mercado.

Com dívidas listadas em 3,1 bilhões de reais, sendo cerca de 1 bilhão de reais apenas junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a companhia de geração de energia limpa havia realizado o pedido de recuperação há pouco mais de dois meses.

A Renova (SA:RNEW11) tem entre seus controladores a estatal mineira Cemig (SA:CMIG4) —que, apesar da crise, afirmou em meados do mês passado que não vai alterar sua participação acionária na empresa renovável, de 36,23%.

Diferente postura teve a Light (SA:LIGT3), outra elétrica que possuía fatia na Renova (SA:RNEW11), que vendeu no início de outubro a totalidade de suas ações na companhia, equivalentes a 17,17% do capital social, pelo valor simbólico de 1 real.

- Via Varejo (SA:VVAR3)

A Via Varejo (SA:VVAR3) prevê alta de dois dígitos nas vendas totais em 2020, conforme reestrutura as operações e amplia os investimentos para transformar um negócio que vinha sendo frequentemente deficitário em líder do varejo brasileiro.

Só no comércio eletrônico, incluindo vendas de terceiros, a empresa projeta crescimento de mais de 30% para o ano que vem, disseram nesta terça-feira executivos da varejista de móveis e eletroeletrônicos na primeira reunião da nova administração da Via Varejo (SA:VVAR3) com investidores e analistas.

"A companhia deve ter sua performance melhorada trimestre após trimestre em 2020... Assumimos com a missão de fazer o maior turnaround do varejo brasileiro", afirmou o diretor-presidente, Roberto Fulchenberguer.

As expectativas surgem pouco mais de seis meses depois que o veterano do varejo Michael Klein e sua família tomaram do grupo supermercadista GPA (SA:PCAR4) o controle da Via Varejo (SA:VVAR3) em um leilão realizado em junho.

- B3

O mercado brasileiro de ofertas de ações deve atingir volume financeiro recorde em 2020, disse nesta quarta-feira o presidente-executivo da B3, Gilson Finkelsztain.

"O Brasil tem tudo para ter recorde no ano que vem", disse o executivo a jornalistas, citando fatores como a expectativa de desinvestimentos do BNDES, as listagens de braços da Caixa Econômica Federal, além de várias empresas privadas que estão planejando ofertas iniciais (IPO) ou subsequentes.

Finkelsztain estimou que haja entre 20 e 30 ofertas de ações em andamento atualmente.

Neste ano, esse mercado deve fechar com um total próximo de 80 bilhões de reais, já um recorde, se excluir a mega oferta da Petrobras (SA:PETR4) , em 2010, que fez o total superar 100 bilhões de reais, mas é considerado um movimento atípico.

- Saneamento

A Câmara dos Deputados concluiu nesta terça-feira a votação de projeto que atualiza o marco legal do saneamento básico, proposta encarada pelo governo como chave para a entrada de investimentos no país.

A matéria, que facilita a privatização das empresas do setor e passa a exigir licitação para a contratação do serviço de saneamento, segue ao Senado Federal.

Deputados já haviam aprovado o texto principal da proposta na semana passada, abrindo a possibilidade de renovação de contratos das empresas públicas estaduais até 2022, por mais 30 anos antes da abertura à concorrência privada, o que foi encarado com preocupação por parte do setor.

AGENDA DE AUTORIDADES

- Jair Bolsonaro

O presidente da República começa o dia concedendo entrevista ao Otávio Mesquita, apresentador do SBT, se reunindo em seguida com Davi Alcolumbre, Presidente do Senado; Onyx Lorenzoni, Ministro-Chefe da Casa Civil; Paulo Guedes, Ministro da Economia; Jorge Antonio de Oliveira, Ministro-Chefe da Secretaria-Geral; Luiz Eduardo Ramos, Ministro-Chefe da Secretaria de Governo; e Augusto Heleno, Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança.

Na parte da tarde, se encontra com Dias Toffoli, Presidente do Supremo Tribunal Federal – STF; Fernando Azevedo, Ministro de Estado da Defesa; Augusto Aras, Procurador-Geral da República; e José Múcio Monteiro, Presidente do Tribunal de Contas da União – TCU. Em seguida, recebe Pedro Guimarães, Presidente da CAIXA.

Bolsonaro ainda se reúne com Bento Albuquerque, Ministro de Minas e Energia; e Eduardo Augusto Ayroza Galvão Ribeiro, Presidente da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração – CBMM, antes de participar da Conferência Nacional para Agentes Públicos e Políticos Cristãos da Frente Parlamentar Evangélica no Congresso Nacional.

O dia chega ao fim com o evento de lançamento da Campanha Agenda Positiva Regional - 2019

- Paulo Guedes

- Audiência com os presidentes do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ);

- Café com jornalistas;

- Entrevista coletiva à imprensa com a participação dos secretários especiais;

- Audiência com o deputado federal Fred Costa (MG), líder do Patriota e coordenador do Estado de Minas Gerais da Frente Parlamentar em Defesa da Indústria Brasileira de Bebidas.

*Com Reuters