IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Telexfree comunica suspensão de atividades por meio de mensagem no site

Clique aqui para ler a mensagem em inglês no site da Telexfree, que anuncia suspensão de atividades - Reprodução
Clique aqui para ler a mensagem em inglês no site da Telexfree, que anuncia suspensão de atividades Imagem: Reprodução

Maria Carolina Abe

Do UOL, em São Paulo

16/05/2014 16h01Atualizada em 16/05/2014 18h45

Nas últimas semanas, quem acessou o site da Telexfree se deparou com uma mensagem dizendo que o serviço estava fora do ar "para manutenção", mas seria restabelecido "em 2 horas". Nesta sexta-feira (16), o site traz uma mensagem oficial em inglês declarando a suspensão das atividades da empresa. 

Quem tenta acessar o site brasileiro (www.telexfree.com.br) é automaticamente remetido para o site internacional da empresa (www.telexfree.com), onde está a mensagem.

O texto diz que a empresa entrou com pedido de recuperação judicial em Massachusetts em 13 de abril, e que a Telexfree suspendeu todas suas atividades e negócios “enquanto cuida de certos assuntos com a Corte de Falências e cuida de procedimentos pendentes com a SEC e outras agências do governo”.

“Já que não estamos atualmente em condições de apoiar nossa rede, é possível que os clientes enfrentem interrupção ou descontinuação do serviço. Associados independentes e promotores não devem representar a Telexfree de agora em diante sem aprovação de um novo plano de compensação pela Corte de Falência.”

A Telexfree vende planos de minutos de telefonia pela internet (VoIP) e é acusada nos EUA de praticar pirâmide financeira. A empresa também é investigada no Brasil e está proibida de operar desde junho do ano passado.

A formação de pirâmide financeira é uma modalidade considerada ilegal porque só é vantajosa enquanto atrai novos investidores. Assim que os aplicadores param de entrar, o esquema não tem como cobrir os retornos prometidos e entra em colapso. Nesse tipo de golpe, são comuns as promessas de retorno expressivo em pouco tempo.

Leia mais sobre investigações de pirâmides

Pedido de 'concordata' dois dias antes de acusação de pirâmide

No dia 13 de abril, a sede da empresa Telexfree nos Estados Unidos e algumas de suas subsidiárias e afiliadas (TelexFree LLC, TelexFree Inc. e TelexFree Financial Inc.) anunciaram que entraram com pedidos de 'concordata' ou proteção contra a falência no Tribunal de Falências do Distrito de Nevada, nos Estados Unidos.

Dois dias depois, o órgão regulador de mercado dos Estados Unidos --a Securities and Exchange Commission (SEC), semelhante à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) do Brasil-- acusou a empresa de atuar sob um esquema de pirâmide financeira, com foco em imigrantes brasileiros e dominicanos nos EUA. 

A Justiça de Boston ordenou o congelamento dos bens da empresa. 

Brasileira está foragido e sua mulher foi presa como testemunha

O norte-americano James Merrill, fundador da empresa, foi preso em 9 de maio em Massachusetts, nos EUA.

Desde esse dia, o brasileiro Carlos Wanzeler, cofundador da Telexfree, é considerado foragido. A Justiça dos EUA acredita que ele tenha fugido para o Brasil com a filha.

Nesta quarta-feira (14), a mulher de Wanzeler, a brasileira Katia Wanzeler, foi presa no aeroporto JFK, em Nova York, enquanto tentava sair do país. Ela é considerada uma testemunha-chave no caso, e a investigação aponta que contas bancárias em seu nome foram usadas para transferência de dinheiro da Telexfree. 

(Com Camila Neumam)

Mais Economia