IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Economia informal no Brasil deve movimentar mais que o PIB de Israel

Carlos Madeiro/UOL
Imagem: Carlos Madeiro/UOL

Do UOL, em São Paulo

12/11/2014 15h56

As atividades econômicas que não são reportadas ao governo devem movimentar R$ 830 bilhões em 2014, mais do que o PIB (Produto Interno Bruto) de Israel no ano passado, que foi equivalente a cerca de R$ 742 bilhões.

O Índice de Economia Subterrânea foi divulgado nesta terça-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO) e pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV-Ibre).

Além do mercado informal, o indicador calcula tudo aquilo que é movimentado no país, mas não é informado oficialmente ao governo. Por exemplo, uma fábrica que produz 100 pares de sapato e declara apenas 90 ao governo colabora com 10 pares para a chamada economia "subterrânea".

Esses R$ 830 bilhões representam 16,2% do PIB brasileira, uma desaceleração de 0,1 ponto percentual em relação à proporção do ano passado (16,3%).

Economia fraca e informalidade

Segundo pesquisadores do índice, o dado de 2014 indica que a queda da informalidade está mais lenta, devido ao baixo crescimento da economia.

“A economia está desacelerando, assim como o crédito, e o emprego cresceu pouco. Isso tem impacto direto no trabalho formal, que naturalmente cai, cedendo espaço à informalidade”,  disse Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador da FGV-Ibre.

Simplificação tributária pode ajudar

Para o pesquisador, nem mesmo a implantação da Medida Provisória 615/13, que reduz a tributação para novas atividades, deve modificar o cenário.

“O alívio da carga tributária já atingiu a maior parte dos setores e seus efeitos já foram captados”, afirmou.

Para o presidente-executivo do Etco, Evandro Guimarães, os cortes de tributos devem passar a ser analisados sob uma ótica mais duradoura.

“É o momento de levar a cabo a tão esperada simplificação tributária, de modo que a desoneração atinja de forma mais ampla os setores produtivos da economia”, disse.

(Com Agência Brasil)

Mais Economia