Topo

Governo suspende a venda de 87 planos de saúde de 22 operadoras

Shutterstock
Imagem: Shutterstock

Do UOL, em São Paulo

2015-05-18T19:15:36

2015-05-19T15:20:04

18/05/2015 19h15Atualizada em 19/05/2015 15h20

As vendas de 87 planos de saúde de 22 operadoras serão suspensas a partir de quarta-feira (20). Isso significa que temporariamente eles não poderão ter novos clientes, mas o atendimento aos atuais consumidores continua normal.

O anúncio foi feito nesta segunda-feira (18) pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Entre as empresas afetadas estão Unimed Paulistana, Odontoprev, Unimed Rio e Allianz. O UOL entrou em contato com as companhias e espera resposta. A Allianz, a Odontoprev e a  Unimed Paulistana responderam (vejas as notas no fim deste texto).

Segundo a ANS, a suspensão foi determinada porque as empresas não respeitaram os prazos máximos de atendimento aos clientes e negaram, indevidamente, algumas coberturas.

O objetivo da medida é impedir novas contratações e, ao mesmo tempo, garantir o atendimento aos cerca de 3,2 milhões de consumidores que já possuem contratos dos planos suspensos.

A lista com todos os planos suspensos pode ser acessada no site da ANS: http://zip.net/bvqM33 (URL encurtada).

Venda de 34 planos poderá ser retomada

Ao mesmo tempo em que determinou a suspensão da venda de alguns planos, a ANS autorizou a retomada, também a partir da próxima quarta-feira, da comercialização de 34 planos. A lista completa também pode ser consultada no site da agência: ttp://zip.net/bvqM33

Esses planos tinham sido alvo de suspensão anterior, mas, segundo a agência, as operadoras conseguiram comprovar melhoria no atendimento nos últimos três meses.

A ANS vem anunciando proibições de vendas de planos desde o final de 2011. Desde o início das ações, 1.099 planos de 154 operadoras já tiveram as vendas suspensas. Outros 924 planos voltaram ao mercado após comprovar melhorias no atendimento. 

A medida é aplicada com base nas reclamações recebidas nos canais de relacionamento da agência por telefone (0800 701 96560), pela internet (http://zip.net/bfphTX) e pessoalmente em 12 núcleos de atendimento existentes nas cinco regiões do país.

Allianz

A Allianz diz que está tomando providências para regularização dos planos suspensos. Veja a nota divulgada pela empresa:

"A Allianz Saúde comunica que, após a divulgação do 13º Ciclo de Monitoramento da Garantia de Atendimento da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), foram liberados quatro planos de saúde do ciclo anterior. A seguradora informa que, em relação aos planos suspensos neste novo ciclo, está tomando todas as providências necessárias para regularizá-los.

A Allianz Saúde reafirma que os seus segurados e parceiros não serão impactados.

A seguradora coloca-se à disposição para eventuais esclarecimentos."

Unimed Paulistana

A Unimed Paulistana afirma que a nova administração está se esforçando para melhorar os serviços. Leia a nota da empresa:

“A UNIMED PAULISTANA, ciente do resultado do 13º ciclo de monitoramento assistencial realizado pela ANS, encerrado aos 18 de março de 2015, esclarece que:

Ocorreram - em 28 de março de 2015 - eleições para o provimento de cargos na Diretoria Executiva e Conselho de Administração da Cooperativa, e a nova administração, recém empossada, vem empenhando seus melhores esforços na melhoria dos processos internos, como forma de ofertar aos usuários assistência suplementar à saúde de qualidade, com valorização da atividade médica. Igualmente, esclarece que os usuários não serão afetados com a decisão em questão.”

 Odontoprev

A Odontoprev disse que ficou surpresa com a decisão e questiona a metodologia usada pela ANS. Veja a nota:

Diante da suspensão da comercialização de alguns de seus planos de saúde odontológicos anunciada nesta data pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), a OdontoPrev informa que:

- Recebeu com surpresa a comunicação da suspensão de comercialização de 17 dentre os 387 planos de saúde odontológicos ativos que compõem seu portfólio. A metodologia empregada considera exclusivamente o número de NIPs (Notificação de Intermediação Preliminar) de âmbito assistencial no trimestre monitorado. Foram apuradas 30 NIPs em uma base da OdontoPrev de 6,3 milhões de beneficiários, portanto, 1 NIP para cada 210 mil beneficiários.

- A Companhia reconhece e apoia o trabalho desenvolvido pela ANS. No entanto, em relação à suspensão de planos, tem compartilhado dos questionamentos institucionais quanto à metodologia implantada pela Agência. Principalmente em relação aos atuais critérios de medição, os quais podem produzir desvios estatísticos relevantes, distorcendo a avaliação de qualidade pretendida, problema já apontado anteriormente pela FENASAÚDE - Federação Nacional de Saúde Suplementar, entidade da qual a Odontoprev faz parte.

- Desde sua fundação, em 1987, a empresa sempre teve como missão ser referência em saúde bucal, na qualidade do atendimento prestado aos seus clientes, e em sua política de governança corporativa. Por essa razão, tornou-se líder do segmento de planos de assistência odontológica no País, possuindo, atualmente, mais de 6,3 milhões de beneficiários. A própria ANS tem reconhecido a qualidade dos processos e atuação da OdontoPrev, que obteve nos últimos três anos a nota máxima no Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) entre as operadoras de planos odontológicos com mais de 100 mil vidas, divulgado em sua versão mais recente, em 25 de novembro de 2014.

- A Companhia também esclarece que a medida anunciada pela ANS não resulta em qualquer prejuízo no atendimento aos beneficiários dos planos suspensos, bem como não ocorrerão alterações nas cláusulas do contrato ora vigente. 

A OdontoPrev reafirma a sua política de priorizar a qualidade na prestação de seus serviços. Por essa razão, a Companhia adotará as medidas necessárias para preservação dos interesses de seus clientes e de sua atuação.

Associação diz que há melhorias

A Abramge (associação dos planos de saúde) diz que é "importante" a fiscalização, mas afirma que houve queda de reclamações (-21% nesta rodada em relação à anterior).

A associação afirma que isso "reflete o esforço conjunto das operadoras de planos de saúde para a melhoria contínua do atendimento".

Segundo a entidade, em um universo de 72,2 milhões de beneficiários e cerca de 275 milhões de atendimentos realizados, o total de 11.007 reclamações representam 0,004% do total de procedimentos, ou seja, aproximadamente uma reclamação para cada 23 mil atendimentos no trimestre.

Mais Economia