Bolsa da China despenca 6,38% e arrasta Bolsas da Ásia para baixo

Do UOL, em São Paulo

A Bolsa da China despencou 6,38% nesta terça-feira (26), e chegou ao menor nível em mais de um ano.

O mercado de ações chinês foi afetado por uma nova queda no preço do petróleo, o que retoma preocupações com o crescimento global. Na segunda, os preços do petróleo voltaram a ficar abaixo de US$ 30, perto do menor valor em 12 anos. 

O petróleo está caindo porque há uma grande quantidade do produto disponível no mercado, mas as compras estão caindo. Seguindo a lei da oferta e da procura, então, o preço cai.

"Para onde se olha --para a China, o petróleo ou os Estados Unidos, não há sinal claro de melhora dos fundamentos econômicos", disse o diretor administrativo da empresa de investimentos PineBridge Investments, Tatsushi Maeno, à agência de notícias Reuters. 

O recuo da Bolsa de Xangai também mostra mais uma vez as dificuldades das autoridades chinesas para estabilizar os mercados no país. Nesta terça, a Bolsa caiu apesar de o banco central da China  ter injetado 440 bilhões de yuans (US$ 67 bilhões) no mercado, antes das festas do Ano Novo Lunar. 

Queda afeta Bolsas da Ásia

Só neste ano, as Bolsas da China já passaram por sucessivos tombos e acumulam queda de 22%. Na primeira semana do ano, o mercado de ações chegou a perder 7% em duas sessões, e as operações foram suspensas com o mecanismo de "circuit breaker". 

O tombo da China nesta terça afetou as demais Bolsas da Ásia. 

A de Hong Kong recuou 2,48%, a do Japão, 2,35%, a de Cingapura, 1,43%, a da Coreia do Sul, 1,15%, e a de Taiwan, 0,83%. A Bolsa da Austrália não operou.

China desacelera

A economia chinesa está desacelerando e, em 2015, cresceu 6,9%, o menor ritmo em 25 anos. 

A desaceleração da China preocupa porque o país é um dos maiores importadores do planeta e um dos maiores compradores de matérias-primas (chamadas de commodities), como ferro e petróleo. Portanto, quanto o ritmo da economia chinesa diminui, isso afeta toda a economia mundial.

A China também é um grande exportador, e dados econômicos têm mostrado um ritmo mais lento também nesse indicador. 

(Com Reuters)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos