Bolsas

Câmbio

Fábrica faz café e guarda álcool de vinho em barril para produzir perfumes

Juliana Kirihata

Do UOL, em São José dos Pinhais*

Grãos de café preparados em água quente e álcool de vinho armazenado em barris de carvalho francês. As cenas poderiam ser de uma cozinha, mas são de uma fábrica de perfumes.

O café, por exemplo, é ingrediente das fragrâncias da linha Coffee, da marca O Boticário. "A ideia é dar um toque especial, mas não ficar cheirando a café", diz Cesar Veiga, especialista em fragrâncias da empresa. 

Na fábrica, é feita a infusão dos grãos com água quente, que são colocados em um recipiente de inox, com capacidade para até 80 litros. O processo é parecido com o da bebida feita em casa, só que se usam grãos em vez de pó. A infusão é feita em dez minutos. Depois, sai um líquido alaranjado, como um chá (e não o preto tradicional do café).

Veja o processo detalhadamente nas fotos acima ou clique aqui.

Essência de tiramissu e algodão-doce

Segundo Veiga, um perfume pode surgir de vários produtos e depende do perfil do consumidor. "Em média, são usadas de 50 a 150 matérias-primas na fabricação", diz.

Entre as matérias-primas, estão óleos essenciais e também fragrâncias produzidas em laboratório que reproduzem o cheiro de flores, frutas e sobremesas, como chocolate, tiramisu e algodão-doce.

No caso do Malbec, perfume mais vendido da marca atualmente, a intenção é lembrar o universo dos vinhos. Para isso, o perfume leva álcool vínico --obtido pela fermentação da uva.

No processo, o álcool descansa em barris de carvalho instalados no meio da fábrica, por um período que pode variar de um dia a semanas. O álcool absorve o aroma amadeirado dos barris, segundo a empresa, e o tempo de armazenagem depende do aroma necessário para cada produto.

Esses perfumes fazem parte dos 250 milhões de itens produzidos por ano na fábrica do Grupo Boticário em São José dos Pinhais (PR). Lá também são feitos cremes, loções e maquiagem, entre outros itens.

Queda de vendas

As inovações na perfumaria, assim como em outros setores, são ainda mais necessárias diante do cenário de crise econômica.

Em 2015, os produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos registraram queda de 9% nas vendas, mostrou levantamento da Abihpec, associação do setor. Foi a primeira baixa em 23 anos.

Em entrevista ao UOL, o presidente do Grupo Boticário, Artur Grynbaum, disse que a crise afeta todos os setores da economia. "O ritmo de crescimento arrefeceu um pouco, porém, continuamos crescendo", afirmou.

(*A repórter viajou a convite do Grupo Boticário)

Perfume não é mais supérfluo, é cesta básica, diz Grynbaum

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos