Plano de saúde pessoal pode ficar até 13,55% mais caro, autoriza governo

Do UOL, em São Paulo

  • Shutterstock

Os preços dos planos de saúde individuais e familiares podem subir até 13,55%, autorizou nesta sexta-feira (19) a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). É o nono ano seguido em que o reajuste liberado fica acima da inflação.

O aumento deve afetar cerca de 8,2 milhões de pessoas. O aumento é válido para planos contratados a partir de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98.

O reajuste deve ser repassado pelas operadoras somente a partir da data de aniversário dos contratos, entre maio deste ano e abril de 2018, e tem de ser igual ou inferior ao teto estabelecido pela ANS.

A metodologia utilizada pela ANS para calcular o índice máximo de reajuste anual dos planos individuais e familiares, estabelecida em 2001, leva em consideração a média dos porcentuais de reajuste aplicados pelas operadoras aos contratos de planos coletivos com mais de 30 beneficiários.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos