ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 1.Ago.2018
Topo

Ministério nega risco à saúde pública, após nova fase da Carne Fraca

Vinicius Boreki

Colaboração para o UOL, em Curitiba

05/03/2018 11h33Atualizada em 05/03/2018 16h30

Após ser deflagrada a terceira fase da Operação Carne Fraca, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) negou que o abastecimento de carne branca (frangos e perus) ofereça risco à saúde pública, tanto no Brasil quanto em outros países que consomem a carne brasileira. Contudo, as fraudes descobertas podem afetar as exportações do Brasil.

A operação detectou um esquema entre a BRF, dona de marcas como Sadia e Perdigão, e laboratórios responsáveis por analisar seus produtos para fraudar resultados das análises e omitir a presença da bactéria salmonella. O objetivo era burlar a fiscalização sanitária e continuar exportando para mercados externos de controle mais rígido, segundo a Polícia Federal.

Leia também:

Segundo o Ministério da Agricultura, a presença da bactéria salmonella é comum, principalmente em carne de aves, pois faz parte da flora intestinal desses animais, porém ela é destruída em altas temperaturas --quando a carne é cozida ou frita, por exemplo.

De acordo com Alexandre Campos da Silva, coordenador-geral de inspeção de produtos animais do ministério, existem cerca de 2.000 tipos de salmonella e apenas dois representam risco à saúde do ser humano.

"O risco à saúde pública não está devidamente configurado. Salmonela por si só não caracteriza risco à saúde pública, devido ao cozimento e à fritura, exceto desses dois tipos, que não foram identificados", disse Silva.

Silva foi taxativo em relação à segurança do abastecimento da carne branca para o mercado brasileiro. "Nossa fiscalização é eficiente. Se esses países atribuem a segurança dos seus consumidores ao ministério, o consumidor brasileiro pode ter segurança da eficiência do nosso trabalho. Estamos trabalhando em conjunto para evitar reincidências como essa", disse.

Outro lado

A empresa de alimentos BRF disse nesta segunda-feira que "está se inteirando dos detalhes" da nova fase da operação deflagrada nesta segunda-feira e que colabora com as investigações para esclarecer os fatos.

Em comunicado, a empresa ainda ressaltou que segue as normas e regulamentos relativos à produção e comercialização de seus produtos no Brasil e no exterior.

Separadamente, a Tarpon Investimentos, acionista da BRF, informou em nota que não é alvo da operação, mas que a PF realizou buscas em sua sede por documentos de Pedro de Andrade Faria relacionados ao período em que atuou como presidente da empresa de alimentos.

(Com Reuters)

PF cumpre mandados em nova fase da Carne Fraca

Band News

Mais Economia