ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Mercado já sinalizava crise um ano antes da quebra do Lehman Brothers

Andrew Winning/Reuters
Imagem: Andrew Winning/Reuters

Do UOL, em São Paulo

15/09/2018 04h00

Um dos primeiros alarmes sinalizando os problemas do sistema bancário mundial tocou em agosto de 2007, quando o banco francês BNP Paribas congelou três fundos de investimentos ligados ao mercado imobiliário dos Estados Unidos.

Nos meses seguintes, o próprio mercado tentou consertar os problemas. O banco norte-americano JP Morgan, por exemplo, comprou o rival Bear Stearns e o salvou da falência, resgate semelhante ao feito pelo Bank of America, que comprou o Merrill Lynch.

Em outra frente, os governos também agiram. A Inglaterra estatizou um banco, e os Estados Unidos resgataram as duas principais empresas de hipotecas do país, Fannie Mae e Freddie Mac, em 7 de setembro de 2008.

Uma semana depois, o Lehman Brothers, quarto maior banco do setor no país, não encontrou comprador, e o governo norte-americano decidiu não socorrê-lo. Com prejuízo de US$ 3,9 bilhões, o banco quebrou em 15 de setembro, e Bolsas de Valores do mundo inteiro fecharam em queda.

No dia seguinte, diante da repercussão da falência do Lehman Brothers, o governo dos EUA anunciou a compra da gigante de seguros AIG, por US$ 85 bilhões.

Mas era tarde, pois a crise já estava em curso. 

A reação negativa da “segunda-feira negra”, com queda generalizada de ações pelo mundo, se repetiria por muitas sessões, levando as Bolsas dos Estados Unidos a despencar de 34% a 41% em 2008. Fortemente afetada, a Bolsa brasileira encolheu 41% naquele ano.

Mais Economia