PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Bolsonaro: 'Especificidades' de militares serão lembradas na Previdência

Fábio Motta/Estadão Conteúdo
Imagem: Fábio Motta/Estadão Conteúdo

Luís Kawaguti

Do UOL, no Rio

07/03/2019 11h19Atualizada em 07/03/2019 13h28

O presidente Jair Bolsonaro afirmou a militares da Marinha que a nova Previdência exigirá sacrifícios, mas que o governo não esquecerá as especificidades de cada uma das Forças Armadas.

"O que quero dos senhores é sacrifício também. Faremos, sim, uma nova Previdência que atingirá os militares, mas não deixaremos de lado, não esqueceremos, as especificidades de cada Força", disse o presidente na manhã de hoje. 

O discurso acontece em um momento em que, para analisar a proposta de reforma da Previdência enviada pelo governo, o Parlamento pressiona o Executivo a fazer mudanças também no sistema de seguridade social dos militares.

Bolsonaro enviou a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da reforma da Previdência no mês passado, e prometeu enviar o projeto de lei referente aos militares até o dia 20 de março.

Diferentemente de profissionais do setor privado, os militares não têm alguns direitos, como receber horas extras e FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Presidente promete valorizar os militares

O presidente fez a declaração sobre a Previdência ao participar, no Rio de Janeiro, da comemoração do 211º aniversário do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha, na Fortaleza de São José, região central do Rio.

Também estavam presentes o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e o comandante da Marinha, Ilques Barbosa Júnior.

Após pedir sacrifícios, Bolsonaro afirmou que os militares serão valorizados em seu governo e mencionou pontos que são caros aos militares, como o desenvolvimento da região amazônica.

A Amazônia é considerada de importância estratégica pelos militares devido às vastas extensões de terras pouco ocupadas na região, que ficam naturalmente mais expostas e geram preocupações ligadas à soberania do país.

O presidente também defendeu mais segurança jurídica para militares que atuarem de forma extraordinária na segurança pública. "Meu governo reconhecerá o soldado brasileiro, tão esquecido nesses últimos anos", disse. 

Na semana passada, o presidente já havia dito que faltam recursos para os militares desenvolverem todas as suas atividades e afirmou que trabalhará para melhorar a situação. Contudo, o UOL apurou que os investimentos na área só devem começar se o governo conseguir aprovar a reforma da Previdência.

Entenda a proposta de reforma da Previdência em 10 pontos

UOL Notícias