IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Reforma da Previdência


CCJ cancela audiência e diz que espera Guedes na próxima semana

Deputados protestam contra ausência do ministro Paulo Guedes na CCJ - Tales Faria/UOL
Deputados protestam contra ausência do ministro Paulo Guedes na CCJ Imagem: Tales Faria/UOL

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

26/03/2019 16h13Atualizada em 26/03/2019 16h59

Após um acordo de líderes, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados decidiu hoje convidar novamente o ministro da Economia, Paulo Guedes, para participar de uma audiência pública na quarta-feira da semana que vem (3) sobre a reforma da Previdência.

Caso ele desista novamente de participar, será automaticamente convocado pelo colegiado. Nesse caso, ele fica obrigado a participar da reunião.

O ministro da Economia era esperado para debater o texto com os parlamentares, mas desistiu de participar da audiência e enviou o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, para substituí-lo.

Em nota oficial, o Ministério da Economia informou que a ida de Guedes ao colegiado "será mais produtiva" quando o relator da matéria for definido.

Diante da desistência de Guedes, a oposição recolheu assinaturas para votar um requerimento de convocação, que foi acatado pelo presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR). Com isso a audiência pública com Marinho foi cancelada.

Oposição critica ministro e defende convocação

O requerimento de convocação foi assinado pelo líder da oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ), e pelo líder do PSB, Tadeu Alencar (PE). Segundo Molon, Guedes desrespeitou os parlamentares ao se negar a participar de audiência pública.

"Consideramos inaceitável essa proposta de se substituir o ministro da Economia. Essa atitude e esse comportamento é um desrespeito com essa Casa, com a comissão, com todos os membros e com o presidente da comissão", disse.

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, fez apelos para que a audiência pública fosse realizada e disse que Guedes compareceria ao colegiado na próxima semana.

Atritos entre Executivo e Legislativo elevam crise

Atritos entre o Executivo e o Legislativo nos últimos dias têm feito pairar dúvidas sobre a tramitação da reforma da Previdência, considerada pauta prioritária do governo e do mercado financeiro.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, chegou a dizer, na semana passada, que não participaria mais da articulação política pela aprovação do projeto. No final de semana, líderes partidários tentaram botar panos quentes para "baixar a temperatura" da crise.

Entenda a proposta de reforma da Previdência em 10 pontos

UOL Notícias

Mais Reforma da Previdência