Topo

Mourão critica reajuste do mínimo acima da inflação: "vaca sagrada"

Bernardo Barbosa

Do UOL, em São Paulo

2019-03-26T20:07:45

26/03/2019 20h07

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) criticou hoje, em São Paulo, o reajuste do salário mínimo acima da inflação. Ele classificou a política como uma "vaca sagrada" que precisa mudar, assim como a Previdência.

Segundo Mourão, as tais "vacas sagradas" vêm "lá de trás e até hoje são responsáveis por muitos dos nossos problemas". Uma delas seria "o salário mínimo que não é mínimo".

"Governos anteriores aumentaram além da inflação e produziram uma contradição, na qual as classes mais favorecidas recebem mais do que as menos favorecidas", afirmou.

Bolsonaro terá que definir nova regra de reajuste

No mês que vem, quando enviar a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2020 para o Congresso, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) precisará informar qual será a regra que pretende usar para o reajuste do salário mínimo.

O valor do salário mínimo tem impacto direto nas contas públicas, já que ele é o piso de referência estabelecido pela Constituição para os pagamentos de aposentadorias e benefícios de assistência social.

Hoje, o salário mínimo está em R$ 998. O reajuste é feito pela soma da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) no ano anterior mais o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos antes. Esse modelo vale desde 2006.

As declarações de Mourão foram dadas em discurso durante uma reunião com representantes do setor produtivo na sede da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), na capital paulista.

À noite, o vice de Bolsonaro participou de jantar com empresários na casa do presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

Bolsonaro antes achava aposentadoria aos 65 anos "falta de humanidade"

UOL Notícias

Mais Economia