IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Mídia e Marketing


Com 3,9 bilhões de usuários no mundo, o que acontece na web em um minuto?

Renato Pezzotti

Colaboração para o UOL, em São Paulo

01/04/2019 04h00

Um estudo recente da União Internacional de Telecomunicações (UIT), agência das Nações Unidas, apontou que mais da metade da população mundial está conectada à internet. São 3,9 bilhões de pessoas (o equivalente a 51% da população mundial) ligadas à rede.

Com todo esse público, o que acontece na internet em um minuto?

  • 1 milhão de logins no Facebook
  • 41,6 milhões de mensagens enviadas no Facebook Messenger e no WhatsApp
  • 3,8 milhões de buscas no Google
  • 4,5 milhões de vídeos vistos no YouTube
  • 390 mil aplicativos baixados na Google Play e na Apple Store
  • 87 mil pessoas tuitando
  • 695 mil horas de vídeos assistidas na Netflix
  • 347 mil "scrolls" (movimento de baixar a tela) no Instagram

Os dados são de um levantamento da Visual Capitalist, uma consultoria norte-americana de negócios para investidores.

Nos últimos anos, plataformas como Instagram e Netflix continuam evoluindo em um ritmo alucinante --ao mesmo tempo em que o número de emails enviados por minuto, por exemplo, continua crescendo. Em 2016, eram 150 milhões de emails enviados por minuto. Agora, são 188 milhões.

Como será em 2020?

Para Domênico Massareto, chief creative officer (vice-presidente de Criação) da agência Publicis Brasil, os números do uso da internet continuarão subindo.

Além do aumento orgânico do número de usuários, há também o crescimento na quantidade de robôs acessando a rede e seus serviços. Atualmente, segundo a pesquisa "Bot Traffic Report", da empresa americana Imperva, os robôs são responsáveis por mais de 50% do volume de buscas da internet.

Contudo, o acesso pessoal, de forma individual, tende a diminuir por uma série de fatores. Domênico destaca três aspectos:

1) O "tempo de tela" já vem sendo apontado como um mal contemporâneo que afeta a saúde humana de maneiras ainda desconhecidas. Muito se comenta sobre o "detox digital". A própria Apple lançou o serviço "screen time", para que o usuário controle o tempo em que passa usando o iPhone.

2) O número de usuários que possui redes sociais fechadas, apenas para amigos e/ou amigos próximos, já é maior do que as pessoas que usam redes sociais abertas. Isso naturalmente reduz o volume de interações com outras pessoas.

3) O crescimento da utilização de assistentes virtuais pessoais vai ajudar a lidar com o volume de informação e interações. Antigamente, um assistente era algo usado por executivos de grandes empresas. No futuro próximo, com os assistentes virtuais mais acessíveis, a vida digital será menos complexa. O motor por trás dessa mudança é o desenvolvimento e adoção em massa de plataformas de inteligência artificial.

Use a sua voz para "escrever" mensagens no WhatsApp

UOL Notícias

Mídia e Marketing