PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Relator diz hoje se considera reforma da Previdência constitucional

Deputado Marcelo de Freitas, relator da Previdência na CCJ -
Deputado Marcelo de Freitas, relator da Previdência na CCJ

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

09/04/2019 04h00

O relator da reforma da Previdência, deputado Marcelo de Freitas (PSL-MG), apresentará o parecer sobre a constitucionalidade do texto hoje na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados. A expectativa é que o relatório diga que a reforma respeita a Constituição.

O parlamentar afirmou ontem em postagem nas redes sociais que a proposta é uma necessidade. "É difícil fazer o que deve ser feito! É preciso dizer o que deve ser dito! A reforma da Previdência, sem excluir outras, é uma necessidade! O Congresso Nacional é soberano e saberá encontrar a melhor solução, que o Brasil verdadeiramente exige! Estamos apenas fazendo a nossa parte e não hesitaremos em cumprir com o nosso dever à nação!", escreveu.

Freitas afirmou na semana passada que está confiante na aprovação do texto na CCJ, sem mudanças em relação à proposta encaminhada pelo governo ao Congresso.

Deputados da oposição e da base aliada querem retirar do texto mudanças na aposentadoria rural e no BPC (Benefício de Prestação Continuada), um benefício pago a idosos pobres.

Modificações no texto na comissão especial

A oposição promete votar contra o parecer de Freitas. Para parlamentares de PT, PSB, PCdoB e PSOL, a reforma contraria a Constituição e penalizará os trabalhadores mais pobres. O governo rebate essas declarações e afirma que a redução na alíquota de contribuição para quem ganha até um salário mínimo é uma das medidas que favorecem os mais pobres.

Na CCJ não são feitas emendas ou modificações na redação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição).

Isso ocorrerá na comissão especial, que terá 40 sessões para analisar o mérito da proposta. A apresentação de emendas deverá ser feita nas dez primeiras reuniões da comissão.

Caso a PEC seja aprovada pela comissão especial, seguirá para o plenário da Câmara e será votada em dois turnos. São necessários três quintos dos votos (ou 308 votos). Se passar, segue para análise do Senado.

Entenda a proposta de reforma da Previdência em 10 pontos

UOL Notícias