PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Eduardo Bolsonaro elogia Maia por condução da Previdência: "É um democrata"

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

09/07/2019 18h24

Filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL) elogiou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na condução dos trabalhos da reforma da Previdência. "Maia é um democrata", disse o parlamentar.

"Ele vai dar a palavra a todo mundo que quiser falar. Acho que, no final, a gente chega a 308 votos", disse Eduardo, com menção ao quórum necessário para aprovar a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da Previdência em dois turnos de votação (são necessários 308 em cada turno).

Mesmo depois de uma sucessão de atritos entre Maia e o presidente da República, das críticas de Bolsonaro ao Congresso e do bate-cabeça da base do governo no Parlamento, o presidente da Câmara assumiu a função de principal articulador da proposta e tenta apressar a apreciação em plenário.

A expectativa é que a discussão e votação da reforma se estendam até o fim de semana.

Reforma está "sedimentada", diz Eduardo Bolsonaro

"Depois de tanto tempo, está sedimentado", comentou o deputado, refutando a possibilidade de a base favorável à reforma da Previdência não chegar aos 308 votos. O grupo une majoritariamente os bolsonaristas, os partidos com afinidade ideológica ou pensamento econômico liberal e representantes do bloco conhecido como Centrão.

Eduardo também disse que as emendas que serão apresentadas durante a tramitação da PEC podem fazer do texto uma "reforma meia-boca" e defendeu a aprovação como está atualmente.

Somente a oposição deve apresentar nove propostas de modificação, com votação em separado de pontos que envolvem pensionistas, produtores rurais e outros segmentos.

O Partido Novo, que é favorável à reforma, pode apresentar um destaque que incluiria estados e municípios na redação final da reforma, caso ela seja aprovada.

"Se continuar desidratando, não vai haver reforma", disse o deputado pesselista. "A questão da reforma é simples: ou é aprovada ou não é."