IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Todos a Bordo


Investigação pela União Europeia faz acordo Embraer-Boeing ficar para 2020

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

03/10/2019 14h07

Resumo da notícia

  • Embraer e Boeing anunciaram hoje que conclusão do acordo deve ficar para o início de 2020
  • O atraso ocorre por conta de uma análise mais detalhada da União Europeia
  • Os europeus estariam preocupados com uma concentração de mercado gerado pelo negócio
  • O acordo prevê a venda da divisão de aviação comercial da Embraer Será criada uma nova empresa, chamada de Boeing Brasil ? Commercial
  • A Boeing terá 80% de participação e a Embraer, 20%

A Embraer e a Boeing anunciaram hoje que a venda da divisão de aviação comercial da fabricante brasileira para a norte-americana só deve ser concluída no início de 2020. A previsão inicial das duas empresas era de que o negócio fosse finalizado até o final deste ano. O adiamento ocorre por conta de uma investigação mais detalhada na União Europeia.

"A Comissão Europeia indicou recentemente que iniciará uma segunda fase de análises da transação, e a Embraer e a Boeing continuarão contribuindo com esse processo de revisão. Diante disso, as empresas esperam que a transação seja concluída no início de 2020", afirmaram as duas empresas em um comunicado conjunto.

A União Europeia havia estabelecido um prazo até amanhã para a análise preliminar do acordo. Com a decisão de fazer uma investigação mais aprofundada, o processo pode levar mais cinco meses para ser concluído pelas autoridades europeias.

Segundo a agência Reuters, a análise mais detalhada da União Europeia tem como preocupação a concentração de mercado gerada pelo negócio entre Embraer e Boeing. Para ser aprovado, é possível que as duas empresas sejam obrigadas a fazer certas concessões para permitir o aumento da concorrência.

As negociações entre Embraer e Boeing começaram justamente depois de a europeia Airbus comprar a linha de jatos regionais CSeries da canadense Bombardier. Os CSeries são rivais diretos do E-Jets da Embraer.

Boeing ficará com 80% da nova empresa

Os termos do acordo entre Embraer e Boeing foram anunciados em dezembro do ano passado. A área de aviação comercial da Embraer será transformada em uma nova empresa, chamada de Boeing Brasil - Commercial, controlada pela Boeing e avaliada em US$ 5,26 bilhões. A Boeing terá 80% de participação e a Embraer ficará com os outros 20%. A assembleia de acionistas da Embraer aprovou o acordo em fevereiro, com 96,8% dos votos válidos.

Enquanto o acordo enfrenta resistência na União Europeia, em outros mercados o negócio entre Embraer e Boeing já recebeu sinal verde para ser concluído. O negócio caminhou mais rapidamente nos Estados Unidos, onde fica a sede da Boeing.

"A transação permanece sujeita a aprovações regulatórias. As duas empresas estão atuando ativamente junto às autoridades em jurisdições relevantes e já obtiveram várias aprovações regulatórias. Após uma avaliação detalhada da Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos, a parceria estratégica das companhias recebeu autorização para ser concluída nos Estados Unidos", afirmaram as duas empresas.

Joint venture para o KC-390

Além da venda da divisão de aviação comercial, a Embraer e Boeing também planejam a criação de um joint venture para a comercialização do avião militar KC-390. Nesse negócio, a Embraer teria 51% de participação e a Boeing ficaria com 49%.

"A ampla parceria estratégica entre Embraer e Boeing, representada por essas duas joint ventures, posicionará as empresas para competir no mercado global, oferecer maior valor aos clientes e impulsionar a indústria aeroespacial brasileira como um todo", disseram as empresas no comunicado.

Todos a Bordo