IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Veja as menores taxas para financiamento imobiliário nos principais bancos

Filipe Andretta

Do UOL, em São Paulo

10/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Grandes bancos têm anunciado queda nas taxas de juros para financiar a casa própria
  • A disputa é reflexo da redução da taxa de juros básica (Selic), que está em 5,5% ao ano
  • Em geral, os bancos têm taxas em torno de 7,5% mais TR (que está zerada)
  • A Caixa tem opção com juros entre 2,95% e 4,95% ao ano mais IPCA

Os maiores bancos brasileiros têm baixado as taxas para financiamento imobiliário. O último foi a Caixa Econômica Federal, que anunciou nesta terça (8) a redução dos juros nas linhas com recursos do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo). Nas semanas anteriores, Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander também anunciaram reduções nas taxas de financiamento de imóveis.

A diminuição dos juros para atrair clientes é reflexo da queda na taxa básica de juros (Selic), que está em 5,5% ao ano desde 18 de setembro (o menor valor desde que o Comitê de Política Monetária foi criado, em 1996). Assim, os bancos conseguem dinheiro a um custo mais baixo e podem repassar parte dessa diferença para quem quer financiar um imóvel.

Confira abaixo um comparativo nos juros praticados pelos cinco bancos e entenda as linhas de crédito imobiliário oferecidas.

Quais os juros mais baixos?

Banco do Brasil
Taxas a partir de 7,4% ao ano mais TR para imóveis residenciais, nas modalidades SFH (Sistema Financeiro Habitacional) e CH (Carteira Hipotecária). O BB financia até 80% do valor de avaliação de imóveis, com parcelamento máximo de 420 meses (35 anos).

Para imóveis comerciais, a taxa parte de 9,44% ao ano mais a TR.

Bradesco
Taxa mínima de 7,3% ao ano mais TR nas modalidades SFH e CH para imóveis residenciais com valor máximo de R$ 1,5 milhão. O prazo de financiamento é de 360 meses (30 anos) e permite a utilização do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O cliente pode financiar até 80% do valor do imóvel.

Caixa Econômica Federal
Taxa mínima para imóveis residenciais de 7,5% ao ano mais TR, válido a partir da próxima segunda-feira (14) para os financiamentos com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) dentro das modalidades SFH e SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário). O maior prazo de parcelamento é de 420 meses (35 anos).

A Caixa tem ainda uma linha de crédito para a casa própria com juros entre 2,95% e 4,95% ao ano mais IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Neste formato, o parcelamento pode ser de até 360 meses (30 anos).

Itaú Unibanco
Taxa mínima de 7,45% ao ano mais TR, variando de acordo com o perfil do cliente e de seu relacionamento com o banco. Os valores são unificados para as linhas de SFH, SFI e CH. O financiamento pode ser de até 82% do valor do imóvel, com prazo máximo de 360 meses (30 anos).

Santander
Taxa mínima de 7,59% ao ano na modalidade pró-cotista --válida na compra de imóvel novo até R$ 500 mil, somente para trabalhador titular de conta ativa do FGTS há três anos ou com saldo em conta inativa superior a 10% do valor do imóvel. Nesta linha de crédito, o parcelamento vai até 360 meses (30 anos).
Nas modalidades SFH, SFI e CH, a taxa mínima é de 7,99% ao ano mais a TR, com parcelamento em até 420 meses (35 anos).

Taxas podem variar

Os dados foram fornecidos pelas assessorias de imprensa dos bancos, a pedido da reportagem, em 9 de outubro de 2019. As taxas estão sujeitas a mudanças e variações (os bancos oferecem taxas diferentes de acordo com o plano contratado pelo cliente e a relação entre eles).
Os requisitos para cada linha de financiamento e as condições de crédito devem ser verificados pelo cliente diretamente com o banco.

Qual a diferença entre SFH, SFI e CH?

SFH (Sistema Financeiro de Habitação)
Linha de crédito destinada à população de menor renda, para a casa própria. Quando usada para comprar um imóvel, o valor de avaliação da casa não pode ser maior que R$ 1,5 milhão. O custo efetivo para o cliente do banco não pode ser maior que 12% ao ano, incluindo juros e comissões. Os recursos captados vêm principalmente dos depósitos em poupança e do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário) e CH (Carteira Hipotecária)
Diferentemente do SFH, estes modelos não ficam restritos a imóvel para casa própria (pode ser comercial ou investimento, por exemplo) e permitem financiamento acima de R$ 1,5 milhão. O banco pode empregar recursos provenientes da captação nos mercados financeiro e de valores mobiliários. A diferença entre o SFI e a CH costuma ser apenas o tipo de garantia que os bancos exigem para a contratação do crédito.

O que é a TR (Taxa Referencial)?

A TR (Taxa Referencial) é uma taxa de juros de referência que compõe a base de cálculo de remuneração da poupança. As linhas de crédito imobiliário são formadas por uma taxa de juros mais a TR. Contudo, atualmente, a TR está zerada (ou seja, não aumenta os juros totais do contrato).

Bancos reduzem juros para atrair compradores de imóveis

Band Notí­cias
Errata: o texto foi atualizado
O Santander havia informado incorretamente a taxa mínima para as modalidades SFH, SFI e CH. O correto é a partir de 7,99% mais TR, não 8,99% mais TR, como estava escrito no 10º parágrafo. A informação foi corrigida.

Mais Economia