PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Presidente do BB: privatização do banco será inevitável no futuro

7.jan.2019 - O novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, durante cerimônia de transmissão do cargo na sede da instituição, em Brasília - Fátima Meira/Estadão Conteúdo
7.jan.2019 - O novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, durante cerimônia de transmissão do cargo na sede da instituição, em Brasília Imagem: Fátima Meira/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

25/10/2019 14h53

Presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes afirmou hoje ao Globo que o avanço tecnológico do setor bancário e os fenômenos do fintechs e do "open banking" (abertura de dados e serviços bancários a outras empresas) tornam inevitável a privatização do BB em algum momento.

Segundo o executivo, a instituição financeira terá dificuldades neste mercado "no horizonte de dois, três, quatro anos" pelas amarras impostas pelo Estado.

"É opinião minha, não é de governo, mas eu acho que, em algum momento, a privatização do Banco do Brasil será inevitável. Com as amarras que uma empresa pública tem, vai ser muito difícil o ajustamento, no horizonte de dois, três, quatro anos, a esse novo mundo de open banking e das fintechs", afirmou.

"Fica muito difícil em uma instituição ligada a governos acompanhar esse ritmo. Competimos com uma espécie de bola de ferro na canela", acrescentou Novaes em palestra na Associação Comercial do Rio.

Novaes disse que o BB já está interessado em privatizar tudo que não seja seu negócio principal e que será assinada até 7 de novembro a parceria entre o suíço UBS e o BB na área de banco de investimento e corretora — a instituição estrangeira ficará com mais de 50% do capital.

"Se o negócio não tem nenhuma sinergia como nosso 'core business', vamos tentar privatizar. Vendemos nossa participação na Neoenergia, no IRB e fechamos a BBTur. Já estamos 'mandatados' para vender o nosso banco na Flórida (EUA) e podemos rever a questão do banco na Argentina", explicou.

Os acionistas do Banco do Brasil estão felizes com a nova estratégia, garantiu o presidente.

"A oferta secundária [de ações esta semana] foi um sucesso absoluto. Pela primeira vez, tivemos o engajamento das pessoas físicas, e o total da demanda superou a oferta", afirmou.

"Vendemos R$ 5,8 bilhões em ações, enquanto a demanda de varejo era de mais de R$ 7 bilhões, dos quais R$ 3,3 bilhões vinham de clientes do BB", completou. "Na medida que o cliente vira seu acionista, o nível de fidelização passa a ser maior."

Economia