PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Bolsonaro diz que não tem intenção de privatizar o Banco do Brasil

6.8.2018 - O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), candidato à Presidência da República, escuta o economista Paulo Guedes antes de um almoço com empresários da sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro - Sergio Moraes/Reuters
6.8.2018 - O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), candidato à Presidência da República, escuta o economista Paulo Guedes antes de um almoço com empresários da sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro Imagem: Sergio Moraes/Reuters

Do UOL, em São Paulo

04/12/2019 09h30

Bolsonaro afastou hoje especulações de que o Banco do Brasil pode ser privatizado, ao afirmar que não pretende vender nem o BB nem a Caixa Econômica Federal à iniciativa privada.

"Da minha parte não existe qualquer intenção de pensar em privatizar Banco do Brasil ou Caixa Econômica. Zero", afirmou ele, ao deixar o Palácio da Alvorada e falar com jornalistas.

Ontem, O Globo publicou informação de que, segundo fontes ouvidas pelo jornal, a equipe do ministro da Economia Paulo Guedes discute a privatização do BB e que o tema foi abordado em reunião do PPI. O primeiro passo para avançar com a ideia seria justamente convencer Bolsonaro a aceitar a venda.

Segundo o jornal, a privatização seria a longo prazo, podendo acontecer até o fim do mandato, em 2022. O Ministério da Economia respondeu que o governo Bolsonaro "não pretende privatizar Banco do Brasil, Caixa e Petrobras".

O dólar

Bolsonaro negou também que seu governo esteja atuando para elevar artificialmente o preço do dólar em relação ao real, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar no Twitter que imporia tarifas sobre o aço e o alumínio do Brasil em resposta ao que chamou de depreciação da moeda brasileira.

O presidente também disse que, apesar do anúncio feito no Twitter, Trump ainda não "bateu o martelo" sobre a imposição de tarifas e negou estar decepcionado com o presidente dos EUA, de quem é declarado admirador.

"Tem um certo exagero no que está acontecendo, está certo? Por enquanto não foi sobretaxado nada, só tem a promessa dele no Twitter", disse Bolsonaro.

"Várias vezes o Roberto Campos (Neto, presidente do Banco Central) interferiu vendendo dólares. Nós não queremos aqui aumentar artificialmente, não estamos aumentando artificialmente o preço do dólar", garantiu.

Sem revelar se conversou diretamente com Trump sobre a decisão do norte-americano de taxar o aço e o alumínio do Brasil, Bolsonaro disse acreditar no líder norte-americano, com quem disse ter "uma relação bastante cordial".

"Não tem decepção (com Trump), porque ele não bateu o martelo ainda", respondeu ao ser indagado se estava decepcionado com o presidente dos EUA.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Meirelles defende Reforma Trabalhista e diz: "Poderia estar pior"

UOL Notícias