PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

BC propõe que cliente de um banco possa sacar em caixa eletrônico de outro

Getty Images
Imagem: Getty Images

João José Oliveira

Do UOL, em São Paulo

16/12/2019 16h45

Resumo da notícia

  • Plano do BC é permitir que cliente de um banco saque dinheiro do caixa eletrônico de outro banco
  • Também quer possibilitar saque, em qualquer caixa eletrônico, de empréstimo concedido por fintech
  • Proposta foi lançada nesta segunda-feira (16) e agora será discutida pelo mercado
  • Regras deverão entrar em vigor até o começo do segundo semestre de 2020

Imagine poder sacar dinheiro do caixa eletrônico de um banco, mesmo sendo cliente de outro banco. Ou sacar de um caixa eletrônico qualquer o dinheiro de um empréstimo obtido com uma fintech.

Essas situações serão possíveis se forem adotadas propostas do Banco Central lançadas hoje para facilitar o acesso dos brasileiros aos serviços das redes de caixas eletrônicos e para reduzir custos de saques e outras operações.

Segundo o diretor de organização do sistema financeiro e resolução do BC, João Manoel Pinho de Mello, o mercado brasileiro é um dos que mais restringem o acesso aos serviços nos caixas eletrônicos.

O maior problema, segundo ele, é não existir a chamada "interoperabilidade", que permite ao cliente de um banco sacar dinheiro do caixa eletrônico de outra instituição financeira.

Só 15% dos países não permitem esse tipo de operação. "Na América Latina, o Brasil é o único caso" disse Pinho de Mello.

O BC também destaca que novas empresas financeiras, como as fintechs e os bancos digitais, encontram dificuldades para utilizar os serviços dos caixas eletrônicos de redes abertas, como a Rede 24Horas, da TecBan.

A TecBan tem entre os seus donos grandes bancos do país, como Bradesco, Itaú e Santander. Eles pagam à TecBan tarifas menores que as pagas, por exemplo, por um banco digital.

Quando questionado se os preços cobrados na rede de caixa eletrônico 24 horas, como a da TecBan, eram um problema, o diretor do BC não deu uma resposta direta. Disse apenas que "escutamos os agentes de mercado em nossas decisões".

Consulta pública

Pode parecer estranho, mas hoje as regras para o negócio de caixas eletrônicos, como custos e tarifas, não são reguladas pelo BC.

Para aumentar o acesso dos brasileiros aos caixas, o BC disse que o primeiro passo é colocá-los debaixo das regras definidas pelo banco. Para isso, lançou hoje o texto de uma regulamentação, que vai ficar disponível para consulta até 14 de fevereiro do ano que vem.

Nesse período, pessoas e empresas poderão dar sugestões. Depois disso, as regras serão definidas e oficializadas. Outras normas deverão ser encaminhadas depois, abordando a cobrança de tarifas, por exemplo.

Ele disse que o governo poderá intervir se a empresa de caixa eletrônico cobrar tarifas mais altas dos clientes das fintechs e elas se sentirem prejudicadas.

Para Pinho de Mello, o objetivo do governo é promover a concorrência, garantir a não diferenciação no acesso à infraestrutura e o acesso a todos os usuários e permitir a inclusão financeira.

As regras deverão entrar em vigor entre o fim do primeiro semestre e o começo do segundo semestre de 2020.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Entenda o que é o spread bancário e a relação com os juros que você paga

UOL Notícias

Economia