PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Boeing muda direção da empresa após acidentes do 737 Max: "momento crítico"

Boeing 737 Max está impedido de voar desde março por conta de dois acidentes fatais - Divulgação
Boeing 737 Max está impedido de voar desde março por conta de dois acidentes fatais Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

23/12/2019 11h29Atualizada em 23/12/2019 12h47

Resumo da notícia

  • Dennis A. Muilenburg renunciou aos cargos de CEO e diretor do conselho de administração
  • David L. Calhoun será CEO e presidente a partir de 13 de janeiro
  • Boeing tenta restabelecer confiança na empresa por parte do mercado, reguladores, clientes e acionistas
  • Imagem da companhia foi afetada por dois acidentes com o modelo 737 Max, que deixaram mais de 300 mortos

A Boeing anunciou hoje a mudança de alguns nomes na liderança da corporação multinacional norte-americana de desenvolvimento aeroespacial e de defesa.

O conselho de administração decidiu que a mudança na direção era necessária para restabelecer a confiança na empresa por parte do mercado, reguladores, clientes e acionistas. Nos últimos dois anos, a imagem da Boeing ficou extremamente arranhada com os acidentes do modelo 737 Max que deixaram mais de 300 mortos na Indonésia e na Etiópia.

A Boeing anunciou que Dennis A. Muilenburg renunciou aos cargos de CEO e diretor do conselho.

A companhia informou que o conselho nomeou David L. Calhoun como CEO e presidente, a partir do dia 13 de janeiro de 2020. Além dele, Lawrence W. Kellner se tornará Presidente não executivo do Conselho, com vigência imediata.

O Diretor Financeiro, Greg Smith, atuará como CEO interino durante o breve período de transição, enquanto Calhoun encerra seus compromissos que não são da empresa em questão.

"Em nome de todo o conselho de administração, estou satisfeito por Dave ter concordado em liderar a Boeing neste momento crítico. Ele tem uma profunda experiência no setor e um histórico comprovado de forte liderança, além de reconhecer os desafios que devemos enfrentar. A Diretoria e eu esperamos trabalhar com ele e com o restante da equipe da Boeing para garantir que hoje seja um marco importante", declarou Lawrence W. Kellner em comunicado oficial.

Já David L. Calhoun afirmou que uma de suas prioridades é restabelecer o serviço do 737 Max com segurança. A Boeing já anunciou que não produzirá mais o modelo, mas que seguirá o processo de melhorias para retomar os voos das aeronaves já construídas e que ainda precisam de aval para voltar a operar.

"Eu realmente acredito no futuro da Boeing e do 737 Max. Estou honrado em liderar essa grande empresa e seus 150 mil funcionários que estão trabalhando arduamente para construir o futuro da aviação", disse o novo CEO.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Revisão tira mais de 1.600 peças de dentro de avião; veja

UOL Notícias