PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Bolsonaro diz ver "brecha" para aumentar salário mínimo: "Tem que recompor"

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

14/01/2020 09h27Atualizada em 14/01/2020 13h01

Resumo da notícia

  • Salário mínimo subiu 4,01%, de R$ 998 para R$ 1.039
  • Inflação no ano passado, pelo INPC, foi de 4,48%
  • Reajuste foi decidido antes da divulgação do índice
  • Política de aumento real do salário mínimo acabou no governo Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou hoje que o governo pretende aumentar o salário mínimo para repor toda a inflação do ano passado. O reajuste assinado por Bolsonaro e em vigor hoje foi de 4,01%, abaixo da inflação de 4,48% registrada em 2019 pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).

Com os 4,01%, o mínimo subiu de R$ 998 para R$ 1.039. Se tivesse sido corrigido pela inflação, iria a R$ 1.042,71.

Segundo Bolsonaro, o novo reajuste deve ser confirmado em uma reunião marcada para esta tarde com o ministro da Economia, Paulo Guedes. "Apesar de o aumento ser pouco, quatro ou cinco reais, tem que recompor", disse. "Vou me reunir com o Paulo Guedes agora à tarde e acho que a gente tem brecha para atender."

Bolsonaro declarou ainda que, para cara real aumentado no salário mínimo, o impacto financeiro seria de cerca de R$ 300 milhões. A equipe econômica fala em R$ 319 milhões.

O novo reajuste foi sinalizado pelo Ministério da Economia ontem, em encontro de Guedes com empresários. Ainda não há uma definição sobre como ele será feito.

Uma das possibilidades, segundo reportagem do jornal "Folha de S.Paulo", é enviar uma sugestão ao Congresso.

Reajuste foi decidido antes de índice ser divulgado

O reajuste de 4,01% foi definido por meio de medida provisória no último dia de 2019, mas ainda pode ser alterado pelo Congresso.

O valor foi calculado com base em uma projeção do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) acumulado para o ano passado, quando o índice final ainda não havia sido fechado.

O IBGE só divulgou o índice oficial em 10 de janeiro, e ele ficou acima do projetado pelo governo.

Bolsonaro acabou com política de ganho real

A proposta de salário mínimo feita pela equipe econômica do governo Bolsonaro representa uma mudança em relação ao modelo de reajuste adotado por lei a partir de 2007, nos governos do PT. Desde então, a revisão levava em conta o resultado do PIB de dois anos antes mais a inflação do ano anterior, medida pelo INPC.

Na prática, essa regra garantia o ganho real do mínimo sempre que houvesse crescimento da economia. O prazo de vigência da regra venceu no dia 1º de janeiro de 2019, e o governo Bolsonaro não tentou prorrogá-la.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou no ano passado que o salário mínimo só teria aumento real, acima da inflação, se forem aprovadas as reformas fiscais.

"Pouco para quem recebe, muito para quem paga"

No Twitter, o presidente afirmou que o "nosso salário mínimo é pouco para quem recebe e muito para quem paga". "Uma eterna discussão entre direitos e deveres", escreveu.

(Com Estadão Conteúdo)

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

Guedes condiciona o aumento real do salário mínimo à aprovação de reformas

UOL Notícias

Economia