PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Maia chama medida provisória da suspensão do emprego de 'capenga'

Renato Costa/Framephoto/Estadão Conteúdo
Imagem: Renato Costa/Framephoto/Estadão Conteúdo

DO UOL, em São Paulo*

23/03/2020 13h32

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), classificou como "capenga" a medida provisória editada no domingo pelo governo permitindo a suspensão de contratos de trabalho por quatro meses sem pagamento de salário. Ele disse que a medida precisa ser complementada.

"Em algum lugar da burocracia tiraram parte da MP. O que nós conversamos com a equipe econômica sobre essa medida provisória diverge daquilo que está publicado. Tratar de suspensão de contrato de trabalho precisa estar vinculado a uma solução", afirmou hoje, em entrevista pela internet feita pelo BTG.

"Nessa MP vinha aquela redução de 50%, até dois salários. Está até na exposição de motivos essa parte que o governo entraria com R$ 10 bilhões, mas sumiu do texto", disse Maia.

O deputado ainda disse que propôs ao governo a edição de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabeleça um regime extraordinário de contratações para o momento de crise por conta do novo coronavírus, separado do Orçamento principal.

Para ele, a medida gerou pânico na sociedade. "Tenho certeza que a gente tem de construir rapidamente, junto com a equipe econômica, outra medida provisória, ou uma sinalização clara de que estamos preocupados com solucionar a manutenção dos empregos. Da forma como ficou gerou uma insegurança", comentou o presidente da Câmara.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.