PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Fundador da Azul vende parte de suas ações na empresa em meio a crise aérea

O fundador e controlador da companhia área Azul, David Gary Neeleman - Paulo Whitaker/Reuters
O fundador e controlador da companhia área Azul, David Gary Neeleman Imagem: Paulo Whitaker/Reuters

Do UOL, em São Paulo

14/04/2020 10h15Atualizada em 14/04/2020 10h33

A Azul informou hoje que seu acionista controlador, David Neeleman, vendeu parte de suas ações preferenciais (sem direito a voto e com prioridade na distribuição de dividendos) em meio à crise no setor aéreo causada pelo novo coronavírus.

Em comunicado, a companhia aérea afirmou que a participação de Neeleman —que também é o fundador da empresa— foi reduzida de 11.432.352 ações preferenciais, correspondentes a 3,34% dessa espécie de ações, para 2.116.004 ações no mês de março —uma baixa de 9.316.348 de papéis.

Não houve mudança em relação ao número de ações ordinárias (com direito a voto em assembleia) detidas por Neeleman, que mantém 622.406.638 de papéis desse tipo, segundo a Azul.

A decisão de vender as ações não partiu do fundador da empresa, diz o comunicado. A Azul informou que Neeleman havia feito um empréstimo pessoal em 2019 no valor de US$ 30 milhões (R$ 155,3 milhões na cotação de hoje) usando como garantia parte de suas ações da empresa.

Com receio de perder dinheiro por causa da queda no valor das ações da empresa devido à suspensão de voos durante a pandemia do coronavírus, os bancos que emprestaram ao empresário cobraram a dívida.

"O impacto da pandemia da covid-19 no mercado de ações, porém, ocasionou uma chamada de margem no empréstimo, e devido à velocidade do movimento e o fato de ele ter outros investimentos no setor sem liquidez como TAP e Breeze, não houve tempo para levantar a liquidez adequada. Assim, os bancos custodiantes executaram a garantia", diz o comunicado da empresa.

PUBLICIDADE