PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Presidente do Ipea prevê queda de 3% do PIB e prepara plano para retomada

Carlos von Doellinger comparou o planejamento para a retomada com o Plano Marshall - Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo
Carlos von Doellinger comparou o planejamento para a retomada com o Plano Marshall Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

17/04/2020 10h56Atualizada em 17/04/2020 11h15

O economista Carlos Von Doellinger tem projeções mais pessimistas do que algumas do mercado financeiro para o abalo que a economia brasileira sofrerá por conta da crise do coronavírus. O presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) acredita que o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro deve recuar de 2% até 3%.

Como resposta para a crise, Doellinger prevê que o governo possa elaborar um plano de ajuda para a economia na ordem dos bilhões de dólares. "Os Estados Unidos fecharam em US$ 2 trilhões, a Alemanha fala em mais de US$ 800 bilhões. Nós vamos poder fazer um pacote na casa dos bilhões", afirmou o economista em entrevista ao jornal Valor Econômico.

O presidente do Ipea revelou que o instituto está mobilizado na análise dos efeitos da crise e que deve entregar os primeiros relatórios nas próximas semanas, finalizando posteriormente um documento que chegará ao ministro da Economia, Paulo Guedes, no início de julho.

Doellinger comparou as recomendações do órgão ao Plano Marshall. O planejamento foi elaborado pelos Estados Unidos no período pós Segunda Guerra Mundial e começou a ser aplicado a partir de 1947 em algumas das principais nações europeias. O resultando foi um grande crescimento, que chegou a ser da ordem de 35% na atividade industrial.

O plano do Ipea será baseado em quatro conjuntos de ações principais: crédito para setores mais comprometidos, como indústria e serviços; linhas de crédito voltadas à exportação, na tentativa de voltar aos níveis pré-crise; investimentos em infraestrutura e para o setor privado bancados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), focados na remodelação das PPPs (Parceria Público-Privada), principalmente em áreas como saneamento básico e habitação; e por último reforçar programa sociais com foco na geração de empregos.

"O governo pode ou não acolher todas as nossas ideias, mas a nossa missão é oferecer um planejamento sólido para a reconstrução da economia quando tudo isso acabar", disse o economista, que prevê uma taxa de desemprego entre 13% e 14% nos próximos meses.

Para Doellinger, o plano poderá começar a ser colocado em prática em torno de 60 dias, quando a pior fase da epidemia no país já deve ter passado. No entanto, o presidente do Ipea reforça que as medidas têm que ser concluídas ainda neste ano, para que o crescimento econômico dos próximos anos também não seja afetado.

"Não se pode, em hipótese alguma criar gastos permanentes. É o que os estados querem impor com a proposta de recomposição de receitas. Isso é inviável, vai contra o que o governo fez até aqui", disse o economista, citando a suspensão no pagamento da dívida dos estados como melhor alternativa.