PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Richard Branson pede ajuda do governo para evitar colapso em suas empresas

Richard Branson com um modelo da nave espacial "SpaceShipTwo", da Virgin Galactic - AP Photo/Mark J. Terrill
Richard Branson com um modelo da nave espacial "SpaceShipTwo", da Virgin Galactic Imagem: AP Photo/Mark J. Terrill

Do UOL, em São Paulo

20/04/2020 10h09

O empresário Richard Branson, fundador do Virgin Group, afirmou que suas duas companhias aéreas vão entrar em colapso financeiro se não receberem ajuda do governo britânico.

"Juntamente com a equipe da Virgin Atlantic, faremos tudo o que pudermos para manter a companhia aérea funcionando - mas precisaremos de apoio do governo para conseguir isso diante da grave incerteza em torno das viagens hoje e sem saber por quanto tempo os aviões ficarão aterrados", escreveu Branson.

A mensagem foi enviada em uma carta do empresário aos seus 70.000 funcionários da Virgin Atlantinc e Virgin Australia em 35 países para informar que "ele está trabalhando dia e noite" para fazer o possível embora "nenhum dinheiro esteja entrando e muito esteja saindo".

A situação deve-se à paralisação nos serviços provocada pela pandemia do novo coronavírus.

"Em cinco décadas de trabalho este é o momento mais desafiador que eu já vivi. É difícil encontrar as palavras para definir o impacto devastador que esta pandemia continuam a ter em tantas comunidades, negócios e pessoas ao redor do mundo", escreveu o empresário.

Segundo Branson, ele teria investido 250 milhões euros para ajudar os negócios e manter os empregos. Boa parte deste esforço financeiro foi para a Virgin Atlantic, que representa 51% dos negócios do grupo empresarial.

Ele afirmou que a ajuda pedida seria devolvida, citando o caso da easyJet, companhia low cost que também recorreu ao governo para manter os negócios.

"Isso seria na forma de um empréstimo comercial - não seria dinheiro de graça e a companhia aérea pagaria de volta (como a easyJet fará pelo empréstimo de 600 milhões de libras que o governo lhes concedeu recentemente)", disse o empresário.

Errata: o texto foi atualizado
O valor investido por Branson foi de 250 milhões de euros, e não de 250 mil como foi informado no texto. O valor foi corrigido.