PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Motorista de app é acusado de trocar cachorro-quente gourmet por "podrão"

O cachorro-quente recebido pela cliente (em cima); o cachorro-quente que a cliente deveria ter recebido (embaixo) - Montagem UOL
O cachorro-quente recebido pela cliente (em cima); o cachorro-quente que a cliente deveria ter recebido (embaixo) Imagem: Montagem UOL

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

26/08/2020 13h57

Bombou na internet hoje de manhã a história de que um motorista de app trocou um cachorro-quente gourmet que deveria entregar a uma cliente por um "podrão" comprado em barraquinha na rua.

De acordo com Cláudia Gomes, dona do restaurante Tate's Artesanal, que vende cachorro-quente gourmet, o motorista da 99 Táxi identificado como Ian Cury colocou outro produto na embalagem que foi entregue a uma cliente na noite de domingo. Ao invés do cachorro-quente artesanal, a cliente recebeu um lanche vendido na rua.

"A Renata [cliente] ligou e mencionou que mandamos o cachorro-quente errado. Por um momento, achei que tivesse trocado mesmo, pois tínhamos recebido outros pedidos, mas ninguém havia reclamado. Fui achando estranho, pois a Renata disse que o cachorro-quente tinha milho e o sanduíche não leva milho. Pedi que ela mandasse uma foto e tive certeza que não havia a menor possibilidade daquele cachorro-quente ser nosso", disse Claudia.

"Não trabalhamos com uma linha mais barata. Nossos pães são artesanais. Conversando, percebemos que a única possibilidade era ele ter comido e colocado outro no lugar", completou a empresária.

Cachorro-quente rastreado

A cliente Renata Ávila, 34, representante comercial de material hospitalar e alimentos, contou ao UOL que selecionou de forma equivocada o serviço 99 Pop e não o 99 Entrega, mas que o motorista aceitou entregar o pacote. Segundo ela, o motorista demorou mais do que o normal para percorrer o trajeto, fez outro caminho e chegou no seu endereço com uma lata de refrigerante na mão.

"Fui acompanhando ele. Fez um trajeto diferente, a corrida que era para dar R$ 14, deu R$ 23, ele me deu um desconto alegando que parou em um posto de gasolina. Peguei o pacote sem imaginar o que tinha acontecido. Percebi que o pão não era o mesmo, mas achei que as meninas estavam sem o pão delas, mas vi que o sanduíche não estava bacana. Conversamos e chegamos a essa conclusão. Questionei a vantagem financeira que ele teve, mas nem me respondeu", disse Renata.

"Essa cliente pede sempre com a gente, toda semana. Temos uma relação de confiança. Imagina se fosse um cliente novo, o primeiro pedido? Pede um sanduíche artesanal e recebe um cachorro-quente de pão de leite comum de barraquinhas? Essa pessoa pode se sentir enganada e colocar nas redes sociais. Isso poderia prejudicar a gente. Ela pediu um sanduíche no pão preto com gergelim de 17 cm, cebola caramelizada, maionese de bacon, parmesão fresco ralado, cheddar e calabresa e chegou um cachorro quente em outro formato, com outro ingredientes", contou Claudia.

Motorista já foi meme na internet

Na busca de informações sobre o motorista, as proprietárias identificaram que ele é a mesma pessoa do vídeo que viralizou na internet ao submeter à namorada a uma 'pegadinha'. Em 2013, Ian Cury ficou conhecido após divulgar um vídeo que flagrou a reação da namorada ao fingir que estava terminando o relacionamento. O link teve mais de 20 milhões de acesso.

O motorista ainda não foi localizado pelo UOL. Já a 99 Táxi informou que o motorista será banido da plataforma. "A 99 lamenta o ocorrido e esclarece que tal comportamento vai contra os Termos de Uso do aplicativo, por isso, o motorista parceiro foi bloqueado", informou a startup.

As donas do estabelecimento também entraram em contato com Ian, que teria dito que não tinha obrigação de fazer entregas e que se ele quisesse nem precisava ter se dado ao trabalho de entregar, já que ele esperava levar um passageiro e não um pacote.

Claudia disse que a troca poderia ter prejudicado o trabalho do estabelecimento, que abriu em maio deste ano, no bairro da Praça Seca, na zona oeste do Rio.

A proprietária do restaurante contou ainda que o estabelecimento trabalha com serviços de entrega por aplicativo, mas que o carro do APP da 99 foi chamado pois a cliente mora em um bairro que não é atendido pelas entregas. "Ela gasta o valor do sanduíche mais o valor da entrega para poder ter um produto nosso".

Após constatar que o sanduíche foi substituído pelo motorista, Claudia mandou entregar outro cachorro quente para a cliente que havia acabado de chegar de viagem.

A thread no Twitter