PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Com disparada dos alimentos, feijão já subiu até 44% no ano, e arroz, 28%

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

23/09/2020 12h32

Os preços dos alimentos dispararam na prévia da inflação de setembro e puxaram mais uma vez o índice. O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor - Amplo 15) acelerou para 0,45%, o maior para um mês de setembro desde 2012 (0,48%).

Dentre os produtos que mais subiram, destacam-se o arroz, que disparou quase 10% e acumula alta de 28,05% no ano. O feijão também teve forte alta e já subiu de 19% a 44% no ano, considerando as variedades carioca, fradinho, preto e mulatinho.

Veja as principais altas na prévia da inflação em setembro:

  • Tomate: 22,53%
  • Óleo de soja: 20,33%
  • Limão: 14,96%
  • Arroz: 9,96%
  • Mandioca: 9,7%
  • Carne de porco: 8,21%
  • Leite longa vida: 5,59%
  • Feijão fradinho: 5,23%

Veja as principais altas de alimentos no acumulado do ano:

  • Limão: 54,72%
  • Feijão: (preto, fradinho, carioca, mulatinho): de 19,1% a 44,32%
  • Abobrinha: 41,04%
  • Óleo de soja: 34,94
  • Tomate: 33,86%
  • Cebola 33,36%
  • Arroz, 28,05%
  • Leite longa vida: 27,33%
  • Farinha de trigo: 13,39%
  • Pescados: 6,5%
  • Açúcar: 10,87%
  • Carnes: 5,92%

Dólar alto, exportações e auxílio emergencial

Os preços dos alimentos dispararam nos últimos meses devido à alta do dólar, que faz com que muitos produtores prefiram exportar os produtos, ganhando em dólar, a vender no mercado interno.

Para se ter uma ideia, em agosto do ano passado, o dólar rondava os R$ 4. Hoje, a moeda norte-americana passa dos R$ 5,50. Só em 2020, a moeda já se valorizou quase 38%.

Com menos oferta de alimentos no mercado doméstico, os preços aqui sobem.

Além disso, a pandemia do novo coronavírus mudou os hábitos de consumo dos brasileiros. Por causa do isolamento social, houve redução no consumo de alimentos fora de casa e, consequentemente, aumentaram as compras para consumo na residência.

Isso foi reforçado também pelo auxílio emergencial de R$ 600, pago pelo governo. Os recursos foram direcionados, em geral, para a população mais pobre, que concentra mais suas compras em produtos básicos, como alimentos.