PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Microsoft quer comprar a Discord por US$ 10 bilhões, diz Bloomberg

Logo da Microsoft no prédio da empresa em Nova York, nos EUA - REUTERS/Mike Segar
Logo da Microsoft no prédio da empresa em Nova York, nos EUA Imagem: REUTERS/Mike Segar

Do UOL, em São Paulo

23/03/2021 11h35

A Microsoft está avaliando comprar a Discord, uma das mais conhecidas plataformas online de trocas de mensagens, áudio e vídeo entre jogadores de games online. De acordo com fontes da Bloomberg, a aquisição poderá custar mais de US$ 10 bilhões.

Com sede em São Francisco, nos Estados Unidos, a Discord foi lançada em 2015 e viu a demanda pelos seus serviços aumentar durante a pandemia. Hoje, a plataforma tem mais de 100 milhões de usuários — e não só gamers. As pessoas têm usado cada vez mais sua tecnologia para grupos de estudo, aulas de dança, clubes do livro e outros encontros virtuais.

Os donos do serviço estão em contato com outras empresas interessadas em comprá-la, entre elas, a Epic Games e a Amazon. No entanto, ainda não há nenhuma negociação avançada.

Se nenhum acordo for fechado, a Discord já pensa em entrar na Bolsa de Valores. Em 2020, a empresa angariou US$ 100 milhões de investidores com base numa avaliação da empresa.

UOL Economia+ fará evento para quem quer investir

Entre 23 e 25 de março, o UOL Economia+ e a casa de análises Levante Ideias de Investimento realizarão evento online gratuito. O economista Felipe Bevilacqua, analista certificado e gestor especialista da Levante, comandará três grandes aulas para explicar ao leitor do UOL como assumir as rédeas do próprio dinheiro. O evento é gratuito para todos os leitores UOL. Garanta o seu lugar no evento aqui.

Ao clicar em “Enviar”, você concorda com a Política de Privacidade do Grupo UOL e aceita receber e-mails de produtos e serviços do Grupo UOL e demais empresas integrantes de seu grupo econômico. O Grupo UOL utiliza as informações fornecidas para entrar em contato ofertando produtos e serviços. Você pode deixar de receber essas comunicações quando quiser.

PUBLICIDADE
Errata: o texto foi atualizado
O valor correto do negócio é de US$ 10 bilhões e não US$ 10 milhões como foi informado inicialmente no texto. A infromação foi corrigida.