PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Profissionais dos Correios criticam privatização: 'desmonte do Estado'

Argumento de que a privatização vai resultar em diminuição de preços para a população é uma falácia, segundo profissionais dos Correios - Emerson Nogueira/Futura Press/Estadão Conteúdo
Argumento de que a privatização vai resultar em diminuição de preços para a população é uma falácia, segundo profissionais dos Correios Imagem: Emerson Nogueira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Colaboração para o UOL

05/08/2021 19h01Atualizada em 06/08/2021 11h44

Profissionais dos Correios criticaram hoje, em nota, o aval da Câmara para o PL (projeto de lei) que autoriza a privatização dos Correios. Foram 286 votos favoráveis e 173 contrários.

"Quem prega sistematicamente o desmonte do Estado deve estar bem satisfeito hoje. Conseguiram aprovar na Câmara dos Deputados o desmonte de algo que os brasileiros levaram 358 anos para construir", disse a ADCAP (Associação dos Profissionais dos Correios).

Segundo o comunicado, o argumento de que a privatização vai resultar em diminuição de preços para a população é uma falácia que "só serve para iludir os que pagarão de fato a conta dessa medida — os cidadãos e as empresas brasileiras que usam os serviços postais".

Os profissionais criticaram também a forma com que a tramitação do PL foi feita, caracterizando-a como "uma vergonha para nossa democracia", por faltar informações adequadas, discussões e contraditório.

Para a ADCAP, o projeto tramitou ignorando o parecer da PGR (Procuradoria Geral da República) que reconhecia que uma eventual privatização dos Correios não poderia ser feita sem uma mudança constitucional.

No mês passado, o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, afirmou que a Constituição "não possibilita a prestação indireta dos serviços postais e do correio aéreo nacional".

Depois da aprovação pela Câmara, a proposta segue agora para o Senado Federal. Se aprovada no Senado, vai à sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Caso os senadores mudem a redação do projeto, nova votação será feita na Câmara. Com o aval do Congresso, o governo planeja fazer o leilão da estatal no primeiro semestre de 2022.

A Federação Nacional dos Trabalhadores de Empresas em Correios, Telégrafos e Similares afirmou, em sua página no Facebook, que a privatização é "crime de lesa-pátria".

"Parlamentares da Oposição tentaram reduzir os danos dessa aprovação catastrófica do PL 591/2021, que trata da privatização dos Correios, com a votação de destaques, instrumentos que alteram partes do texto base do projeto. No entanto, consolidaram o crime de lesa-pátria contra o Brasil e o povo brasileiro", disse a organização. A federação ainda afirmou que irá se mobilizar por meio de caravanas de trabalhadores, "para pressionar em Brasília senadores a derrubarem esse projeto desastroso para o país".

PUBLICIDADE