PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Alta da gasolina é culpa de Bolsonaro e Petrobras, diz governador do CE

Camilo Santana (PT), governador do Ceará, fez pronunciamento com críticas a Bolsonaro em live nas redes sociais - Reprodução/YouTube
Camilo Santana (PT), governador do Ceará, fez pronunciamento com críticas a Bolsonaro em live nas redes sociais Imagem: Reprodução/YouTube

Do UOL, em São Paulo

24/08/2021 16h55Atualizada em 24/08/2021 17h53

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT) culpou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a Petrobras pelo aumento nos preços dos combustíveis. A gasolina já é vendida a R$ 7,36 em postos pelo Brasil, e o preço médio chega a quase R$ 6.

Em uma transmissão realizada hoje pelas redes sociais, Camilo afirmou que Bolsonaro usa "inverdades" quando trata do assunto para livrar o governo federal da culpa pela disparada de preços.

[São] inverdades para enganar a população brasileira ao dizer que são os governadores que aumentaram o preço dos combustíveis. Nós não fizemos aumento algum.
Camilo Santana, governador do Ceará

Para o governador, a responsabilidade é "culpa única e exclusiva da Petrobras e do governo federal".

Quem saiu todo dia na TV anunciando aumento? É a Petrobras. O presidente se rendeu ao mercado internacional, dolarizou a Petrobras, e para quê? Temos petróleo produzido aqui, nossa moeda é o real. Mas, nesse governo, o dólar saiu de R$ 2 e pouco para R$ 5, isso é um absurdo.
Camilo Santana

Bolsonaro tem dito a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, no Distrito Federal, e em entrevistas que a culpa pelo aumento é dos governadores, por causa do ICMS, um imposto estadual. Mas as alíquotas de ICMS, que variam de 25% a 34%, não mudaram.

Por outro lado, o preço cobrado pela Petrobras nas refinarias disparou. No acumulado do ano, a gasolina da Petrobras subiu cerca de 51%, enquanto o diesel avançou cerca de 40%.

A Petrobras tem subido os preços porque adotou uma política de paridade de preços internacionais. Isso significa que os preços dos combustíveis variam acompanhando as cotações do dólar e do petróleo no mercado internacional.

O Brasil alcançou a marca de R$ 7 o litro da gasolina em algumas regiões. O valor cobrado pelo etanol — que costumava ser uma alternativa à gasolina — também registrou aumento e inviabilizou o derivado da cana-de-açúcar em grande parte do território nacional.

PUBLICIDADE