PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

'É difícil prever o futuro', diz ministro sobre risco de racionamento

O ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque em pronunciamento - Reprodução
O ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque em pronunciamento Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

02/09/2021 18h02

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse hoje ser "difícil prever o futuro" ao ser questionado sobre a possibilidade de risco de racionamento em meio a crise hídrica no Brasil, durante entrevista à GloboNews.

É difícil prever o futuro
Ministro de Minas e Energia, em entrevista

"Trabalhamos com cenários, e o cenário de hoje aponta que não precisaremos adotar medidas de racionamento em outubro e novembro. E a previsão de agora é que, para setembro, ainda teremos baixas afluências nas principais bacias hidrográficas", completou, em seguida.

Apesar de atravessar a pior crise hídrica em 90 anos, e com as medidas para tentar economizar energia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) praticamente proibiu que o governo use a palavra "racionamento".

Na última terça-feira (31), o governo de divulgou a criação de uma nova bandeira para a conta de luz, que aumenta o valor da taxa extra em 50%. Chamada de bandeira de escassez hídrica, a taxa tem o valor de R$ 14,20 por 100 kWh, e será aplicada à conta de luz a partir desta quarta-feira (1º). A bandeira ficará em vigor até 30 de abril de 2022.

As bandeiras tarifárias são independentes da tarifa de energia, e acrescentadas ao valor da conta dependendo das condições de geração de energia no setor elétrico. Quando o cenário é favorável, não há acréscimo (bandeira verde). A bandeira amarela indica cenário menos favorável, enquanto as vermelhas (patamar 1 e 2) apontam para condições custosas de geração de energia.

O objetivo das bandeiras tarifárias é remunerar o uso de usinas termelétricas, que têm custo mais alto. As termelétricas estão sendo utilizadas por causa da seca, que diminuiu o reservatório de hidrelétricas e prejudicou a geração de energia.

Medidas para evitar apagões

Desde que a Câmara de Regras Excepcionais para a Gestão Hidroenergética (Creg) foi criada, o governo adotou diversas ações para tentar evitar apagões ou ainda a necessidade de um racionamento de energia.

A termelétrica William Arjona, em Mato Grosso do Sul, por exemplo, tem um custo variável superior a R$ 2,4 mil por megawatt-hora (MWh), e a importação de energia da Argentina e do Uruguai, por exemplo, custa mais de R$ 2 mil por megawatt-hora (MWh). Por dia, o Brasil importa 2 mil megawatts dos países vizinhos. Novas ações com custos ainda mais elevados devem ser adotadas ao longo das próximas semanas.

As despesas com térmicas mais caras são pagas pelas distribuidoras praticamente à vista, e o repasse ao consumidor pode ser feito de duas formas: ou pelas bandeiras, ou no reajuste anual, com incidência de juros. Cálculos da agência indicaram que os recursos não seriam suficientes para cobrir os custos das térmicas.

A Aneel projetou um déficit de R$ 8 bilhões na conta Bandeiras no final do ano. Somente as medidas adotadas pelo governo devem aumentar o rombo em mais de R$ 2,4 bilhões a R$ 4,3 bilhões. As empresas reclamam que estão com o caixa no limite e que não há como carregar valores tão elevados por tanto tempo.

PUBLICIDADE