PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Consumo das famílias cresceu 2,26% no primeiro bimestre, diz Abras

Consumidores comparam mais em fevereiro, diz setor supermercadista - Henry Nicholls/Reuters
Consumidores comparam mais em fevereiro, diz setor supermercadista Imagem: Henry Nicholls/Reuters

Colaboração para o UOL

14/04/2022 16h47

O consumo nos lares brasileiros teve uma alta de 2,26% no primeiro bimestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2021. A informação é da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), que considera o aumento dentro do estimado pelo setor para 2022, que pode chegar a crescer 2,80% no ano.

O resultado, ainda que moderado, foi registrado sob os efeitos da inflação e o crescimento dos custos da cesta básica de R$ 709,63 em janeiro para R$ 719,06 em fevereiro.

Produtos como feijão, ovo, cebola e batata tiveram aumento expressivo dos preços. Somente a batata atingiu alta de 23,49%. Já em março, o índice da inflação teve a maior alta dos últimos 28 anos para o mês, um nível que não era visto desde antes da implantação do real.

Segundo Marcio Milan, vice-presidente Institucional da Abras, a manutenção do nível de consumo das famílias brasileiras em meio a esse cenário pode ser explicada por programas de transferência de renda como o Auxílio Brasil, sancionado em dezembro do ano passado.

"O cenário no primeiro bimestre do ano passado era instável. Desde fevereiro, o pagamento é certo para ao menos 18 milhões de famílias, e esse dinheiro em mão traz certa segurança para o consumidor", argumenta.

Nos próximos meses, outro estímulo que pode ajudar a manter o consumo nos lares, prevê a Abras, é o Saque Extraordinário do FGTS (Fundo de Garantia).

Entre abril e junho, cerca de R$ 30 bilhões deverão ser liberados para 42 milhões de brasileiros que têm recursos no FGTS, de acordo com o Ministério da Economia. O valor a ser sacado pode chegar a R$ 1 mil.