IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Open finance poupará tempo e dinheiro do brasileiro, diz executivo do Itaú

Cavagnoli participou do South Summit Brasil - Reprodução/LinkedIn
Cavagnoli participou do South Summit Brasil Imagem: Reprodução/LinkedIn

Do UOL, em Porto Alegre

04/05/2022 15h20

Quanto tempo você gasta em aplicativos de bancos? Marcos Alexandre Pina Cavagnoli, diretor digital de cash management e open finance do Itaú Unibanco, diz que o open finance vai fazer o consumidor brasileiro economizar tempo e até dinheiro.

Cavagnoli palestrou sobre o tema no South Summit Brasil, evento de tecnologia e inovação que começou nesta quarta-feira (4) e vai até sexta, em Porto Alegre (RS).

Primeiro, o Banco Central criou o open banking, que teve início em fevereiro de 2021. Em março deste ano, o BC substituiu o open banking pelo open finance.

Inicialmente, o open banking era uma tecnologia de compartilhamento de informações relacionados a produtos bancários tradicionais. A evolução para o open finance fez com que sistema incluísse dados sobre outros serviços financeiros, como de credenciamento, câmbio, investimentos, seguros e previdência.

"O Brasil tem tudo para ser a iniciativa mais impactante de open finance no mundo", afirma Cavagnoli. Comparado a outros países que adotaram sistemas parecidos, como a Inglaterra, o Brasil tem mostrado uma evolução mais rápida do sistema, diz.

Como vai funcionar na prática?

Cavagnoli dá dois exemplos de como o open finance pode ajudar o consumidor —mas ainda não dá para saber quando essas funcionalidades vão começar a valer.

O primeiro deles é na hora de consultar o saldo de contas bancárias. O cliente que autorizar o compartilhamento de informações vai conseguir ver no aplicativo de um banco o saldo das contas que tem em outras instituições.

"Mais de 80% do tempo que o consumidor fica na tela de aplicativos de bancos é para ver o extrato, consultar o saldo e fazer pagamentos. Se você tem um sistema que agrega os saldos, dá o benefício de economia de tempo para o cliente", afirma Cavagnoli.

O outro exemplo é focado em concessão de crédito.

Se o consumidor tem mais de um tipo de empréstimo, também vai conseguir ver todos de uma vez. Aqui, segundo ele, existe uma facilidade para o consumidor, que vai poder organizar melhor as finanças, e uma oportunidade de negócio para as empresas que concedem crédito, que podem usar as informações para oferecer produtos com taxas mais competitivas, por exemplo.