IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Empresa vende roupa de academia barata, atrasa entregas e clientes criticam

Site da Legging Brasil - Reprodução
Site da Legging Brasil Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

19/10/2022 04h00Atualizada em 19/10/2022 05h47

Em 19 de agosto, a enfermeira Crislaine Santos, 29, pagou R$ 198 em três calças leggings e dois tops no site da Legging Brasil, jovem empresa especializada em moda esportiva feminina. A entrega estava programada para 9 de setembro. O prazo, porém, não foi cumprido e foi estendido para 19 de setembro.

Dois meses depois da compra, Crislaine ainda aguarda o recebimento da encomenda em sua casa. Ela até conseguiu conversar com um funcionário por telefone, mas as tentativas têm sido infrutíferas ultimamente. Email e WhatsApp enviam somente mensagens automáticas e impossibilitam resolver a situação, reclama a consumidora. "Eu tenho tentado ligar [no SAC], mas a ligação cai direto", afirma Crislaine.

Empresa reconhece falha: Com promoções agressivas, a Legging Brasil começou a se tornar popular, mas também tem recebido diversas críticas por causa dos problemas logísticos de entrega. Algumas clientes até a acusam de golpe. A empresa reconheceu a falha nas redes sociais, e promete fazer todas as entregas em até 15 dias (leia o posicionamento ao final da matéria).

O que a empresa vende? Fundada em 2019, a empresa está localizada em Blumenau (SC). As vendas são centralizadas em seu site. Lá, estão disponíveis calças leggings, shorts, tops e conjuntos, todas voltadas para exercícios físicos.

A empresa oferece duas leggings por R$ 79,90 ou cinco por R$ 170. Na concorrência, uma legging pode custar de R$ 50 a R$ 269.

A Legging Brasil investe pesadamente em anúncios no Google e em redes sociais. O forte apelo tem dado certo, pelo menos em termos numéricos: são mais de 600 mil seguidores no Instagram, 18 mil no TikTok e mais 44 mil no Facebook.

A companhia afirma que, em quase três anos de mercado, tornou-se o terceiro maior e-commerce de moda fitness do Brasil. Segundo números próprios, 5.500 pedidos saem todos os dias para entrega.

Quantas reclamações há contra a empresa? Por causa dos atrasos recorrentes, o Reclame Aqui já registrou mais de 10 mil reclamações contra a companhia nos últimos seis meses, sendo classificada como a quarta pior empresa na avaliação dos usuários.

Site da Legging Brasil - Reprodução - Reprodução
Legging Brasil oferece diversas promoções em seu site
Imagem: Reprodução

'A Legging Brasil parece não se importar': A engenheira química Camila Toledo, 30, fez uma compra de três leggings por R$ 113 no dia 23 de agosto. A entrega estava prevista para 9 de setembro, mas foi adiada para 19 de setembro —as mesmas datas informadas para Crislaine.

Ela diz que não conseguiu conversar com nenhum funcionário por telefone, e só recebeu um retorno por email —automático— após registrar uma queixa no Reclame Aqui, que também foi prontamente respondida com uma mensagem padrão.

Segundo ela, o pedido feito há quase dois meses e ainda não saiu para entrega. "Eu sinto que a Legging Brasil parece não se importar. Eles acham que não têm a obrigação de me enviar? O pior de tudo é isso parecer normal [para a empresa]", critica.

Demora e insatisfação com produto: A modelo plus size e influenciadora digital Daniele Marques, 31, compartilhou sua opinião a respeito da compra com a Legging Brasil nas redes sociais. Ela gravou um vídeo no qual informa que a encomenda chegou depois de dois meses e que três das cinco leggings que comprou não ficaram confortáveis no corpo.

Daniele, que pagou R$ 160 em todas as peças, classifica a experiência como negativa. "Eu segui a tabela de medidas e duas calças ficaram com efeito esbranquiçado e uma ficou transparente. E o site informa que nenhuma legging fica transparente", afirma.

A reportagem tentou entrar em contato com o número do SAC da Legging Brasil, mas aguardou 13 minutos na espera até a ligação cair.

Quais são os direitos do consumidor? As advogadas Aline Bayer e Luana Dourado, ambas especialistas em direito do consumidor, afirmam que a demora para entrega um produto e a falta de atendimento da empresa são enquadradas no Código de Defesa do Consumidor como prática abusiva.

Como primeira alternativa, o consumidor pode tentar resolver o caso de maneira amigável diretamente com a Legging Brasil. Se nada der certo, as especialistas recomendam o registro de uma reclamação no site do Procon de seu município.

Em último caso, o cliente tem direito de acionar o Juizado Especial Cível, popularmente conhecido como "Pequenas Causas", que julga ações de até 40 salários mínimos (R$ 48.480).

No Poder Judiciário, é possível pedir reparação por danos materiais —isto é, a restituição do valor na íntegra com eventuais gastos adicionais como frete e danos morais pela falta de amparo do fornecedor.

Bayer e Dourado ainda lembram que o consumidor que recebeu o pedido e não gostou do produto tem até sete dias para solicitar o reembolso. O prazo é estendido para 90 dias no caso de defeito.

O Procon-SP (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor) reforça que o descumprimento de oferta, enfrentado pelos clientes da Legging Brasil, traz alternativas a quem adquiriu um item não entregue:

  • Exigir o cumprimento da oferta;
  • Escolher outro produto ou prestação de serviço equivalente;
  • Cancelar o contrato e pedir a devolução do que pagou, devidamente corrigido.

Se o consumidor fez a compra por cartão de crédito e ainda enfrenta atrasos, outra possibilidade é solicitar o cancelamento e estorno do valor à administradora do cartão, aponta o Procon-SP.

O que diz a empresa? Nas redes sociais, a Legging Brasil publicou um vídeo com um pedido de desculpas a todas as "rainhas", como são chamadas as clientes da marca, pelos inúmeros atrasos. A embaixadora da empresa, Bruna Kretzer, resume que a pandemia e um grande incêndio na fábrica causaram as dificuldades logísticas.

"Eu prometo que tudo isso não irá se repetir. Afinal, quem nunca errou nunca teve a oportunidade de tentar algo melhor", disse ela.

O UOL pediu uma entrevista com o CEO da Legging Brasil, Marcos Sartor, mas o empresário enviou apenas uma mensagem de texto. Segundo ele, a empresa tem enfrentado uma "crise" para despachar os pedidos.

"Estamos em um momento delicado em nossa operação, mas já estamos com um plano de ação para resolver todos os atrasos dentro de 15 dias", declarou.

A Legging Brasil publicou em seu site um comunicado em que informa a suspensão das vendas "até que todos os pedidos sejam entregues".

Segundo a empresa, as redes sociais oficiais teriam sido derrubadas por "pessoas mal-intencionadas", o que dificultaria a comunicação com as clientes. O Facebook e o Instagram estão ativos, mas fechados para comentários.

Os canais para contato informados pela companhia são o e-mail sac@leggingbrasil.com e o telefone (47) 3304-1991.