IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Muffato abre primeiro supermercado autônomo, sem atendimento humano, no PR

Muffato, do Paraná, abre em Curitiba a primeira loja autônoma - Divulgação
Muffato, do Paraná, abre em Curitiba a primeira loja autônoma Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo*

08/11/2022 14h53

Uma rede de supermercados do Paraná inaugurou a primeira loja autônoma em que os clientes podem fazer os pagamentos automaticamente, sem passar por atendimento humano. A tecnologia foi adotada na rede Muffato, em Curitiba. Foram dois anos de preparação ao custo de R$ 10 milhões.

O Muffato ficou mais conhecido nacionalmente ao negociar a compra das lojas do Makro em São Paulo, projeto que já abandonou.

O sistema funciona por meio de um aplicativo da empresa. Ao entrar na loja, o cliente ativa um QR code no aplicativo da rede e passa pela porta eletrônica — se ele entrar com mais de uma pessoa, tudo que o grupo fizer ficará registrado no app de quem liberou a entrada.

Ao caminhar pela loja de 250 m², 3,9 mil sensores captarão o movimento de deslocamento do cliente e cruzarão com a localização dos produtos nas prateleiras e o que é retirado delas. Caso desista da compra, é preciso devolver o produto na prateleira com o sensor.

O app faz o cálculo dos produtos e debita a compra no cartão cadastrado. Por enquanto é possível usar cartão de crédito e, segundo a rede, em breve será adotado também o Pix.

"O sistema é baseado em três etapas. A primeira é o monitoramento de cada produto e das pessoas que estão na loja. Não há reconhecimento facial, pois o rastreio é apenas pela posição da pessoa. Pelo peso, as prateleiras inteligentes permitem saber qual item foi retirado. Por fim, o sistema foi treinado para reconhecer todos os itens à venda", diz José Maria Duarte, gerente de operações da Sensei, em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo.

O grupo Muffato vai manter sete funcionários na loja, que ficarão responsáveis pelo atendimento ao cliente e pela gestão de estoque.

As etiquetas de preços da nova loja são digitais. Os preços são exibidos em telas que usam tecnologia parecida com a do leitor digital Kindle, e os valores podem ser modificados em instantes - facilitando promoções, por exemplo.

*Com Estadão Conteúdo