IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

Monica de Bolle: Roberto Campos Neto tem visão de 'tesoureiro de banco'

Do UOL, em São Paulo

14/02/2023 11h31Atualizada em 14/02/2023 13h21

O presidente do Banco Central justifica a taxa de juros a 13,75% com base na visão que o mercado financeiro tem a respeito do tema, avalia a phd em economia e pesquisadora do PIIE (Instituto Peterson de Economia Internacional) Monica de Bolle.

"É uma pessoa que tem seus méritos, e sem desmerecê-lo de forma alguma, ele é uma pessoa que trabalhou a vida inteira em tesouraria de banco. A visão de mundo, de pais, é de um tesoureiro de banco", disse De Bolle durante o UOL Entrevista de hoje.

A economista avaliava a entrevista que Campos Neto deu ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite de ontem.

Como exemplo, ela citou a resposta do presidente do BC a respeito do risco fiscal brasileiro: ele mencionou taxas de juros de longo prazo consideradas em títulos bancários, como o CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Porém, segundo a economista, não há uma expectativa de trajetória de juros que seja utilizada de forma "oficial" pelo Banco Central.

"Os mercados de CDI [com vencimentos] de 5 e 10 anos não tem liquidez nenhuma. Qualquer taxa de juros vai estar valendo nesses horizontes para esses mercados."

Campos Neto tem atitude "política, não institucional"

A economista também avalia que a presença de Campos Neto no Roda Viva cumpriu com um papel político, que também estaria vinculado ao seu trânsito no mercado financeiro.

Do momento em que se apresentou numa entrevista com objetivos politicos, como fez no Roda Viva, ele não foi lá representando a institucionalidade Banco Central, foi representando seus interesses próprios"

Entre os interesses, ela citou um "abano de bandeira branca" ao presidente Lula (PT) devido a declarações críticas do petista à atual taxa de juros.

Lula foi eleito para 'questionar quem quer que seja'

Monica de Bolle também avaliou que Lula está em seu direito de tecer críticas à condução monetária feita pelo Banco Central — considerando especialmente possíveis conflitos entre uma "visão excessivamente rígida" de Campos Neto e interesses econômicos do Brasil, como o crescimento.

O presidente da República tem o direito de questionar quem quer que seja, ele foi eleito para isso. Faz mais sentido ainda se o que ele tiver questionando for a falta de percepção de institucionalidade que pode estar presente no Banco Central"

Quem é Mônica de Bolle?

Doutora em Economia pela London School of Economics (LSE), ela é pesquisadora do Peterson Institute for International Economics, localizado em Washington, nos EUA, e professora adjunta na Escola de Estudos Avançados Internacionais da Universidade Johns Hopkins.

Tem como foco de pesquisa temas macroeconômicos com especialização em Mercados Emergentes, em especial, o Brasil.

Recentemente, ela integrou um manifesto de grupo de economistas que defende a queda da taxa de juros no país. A carta foi endereçada ao Banco Central.

Assista à íntegra do UOL Entrevista com Monica de Bolle: