Bolsas

Câmbio

Petrobras

Petroleiros na Bacia de Campos aprovam greve a partir de sexta-feira

  • Tânia Rêgo/Agência Brasil

RIO DE JANEIRO, 22 Dez (Reuters) - Os funcionários da Petrobras na Bacia de Campos, principal produtora do país, aprovaram em assembleias o indicativo da Federação Única dos Petroleiros (FUP) para a realização de uma greve a partir da próxima sexta-feira (23), informou nesta quinta-feira (22) o Sindipetro Norte Fluminense, em nota.

"O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF) já protocolou na Petrobras o aviso de greve. Os trabalhadores estão em campanha salarial e rejeitaram a proposta da empresa também nas assembleias", afirmou na nota.

A Bacia de Campos é responsável atualmente por quase 60% da produção brasileira de petróleo.

Em sua última proposta, a Petrobras ofereceu reajuste em 6% no salário básico e na tabela RMNR, retroativo a setembro de 2016, acrescido de 2,8% em fevereiro, sem retroatividade.

Entretanto, as cláusulas financeiras não são o principal questionamento dos petroleiros.

Para o Sindipetro-NF, a Petrobras está descumprindo um termo aditivo recém-adicionado ao Acordo Coletivo de Trabalho 2015/2017 sobre o Adicional de Tempo de Serviço da Fafen/PR.

"Tal atitude coloca em cheque os futuros acordos firmados pela empresa", afirmou o sindicato na nota.

Além disso, a empresa propôs mudanças relacionadas à redução de jornada de trabalho com redução de salário, quando os sindicatos entendem que não é o momento correto para isso. "Para a FUP essa questão deve ser tratada na Comissão de Regime de Trabalho", afirmou.

Protestos contra venda de negócios

Para os petroleiros do Norte Fluminense, as mobilizações indicadas também terão o caráter protestar contra a venda de negócios da empresa.

A Petrobras tem como meta vender US$ 15,1 bilhões no biênio 2015/2016, dos quais cerca de US$ 13 bilhões já foram anunciados, enquanto luta para reduzir seu enorme endividamento, um dos maiores da indústria petroleira em todo o mundo.

Procurada nesta quinta-feira, a Petrobras não respondeu imediatamente o pedido de comentários.

Quando o Conselho da FUP aprovou os indicativos de rejeição da proposta e paralisações, na semana passada, a Petrobras afirmou em nota reconhecer a importância do diálogo e declarou que buscou um acordo na mesa de negociação.

"Ao longo do processo, a empresa realizou avanços, atendendo às principais demandas das entidades sindicais. Deste modo, a companhia apresentou sua proposta final, considerando-a justa e equilibrada com base na atual situação financeira da empresa", afirmou a petroleira.

Em um resultado parcial publicado nesta semana, a FUP -que representa 14 sindicatos- informou que um grande número de assembleias pelo país estavam aprovando os indicativos.

(Por Marta Nogueira; Edição de Maria Pia Palermo)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos