ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Cade vê com "reserva" tabelamento de frete rodoviário definido em MP

29/05/2018 13h31

BRASÍLIA (Reuters) - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) vê com "extrema reserva" qualquer medida para tabelar ou criar referências para preços, disse nesta terça-feira o presidente do órgão antitruste, Alexandre Barreto de Souza, ao comentar a decisão do governo de estabelecer fretes mínimos para o transporte de cargas.

O frete mínimo rodoviário foi colocado em medida provisória para atender às reivindicações dos caminhoneiros, cujo movimento de paralisação afetou o abastecimento em todo o país.

"Pode gerar efeitos bastante nocivos para a economia", disse Barreto a jornalistas, após participar de comissão geral do Congresso Nacional para discutir a situação dos combustíveis.

Barreto, porém, disse que o Cade vai analisar a medida antes de manifestar sua posição sobre o assunto ao Congresso.

O agronegócio do Brasil, um dos que mais utiliza o modal rodoviário, avaliou logo após a divulgação da proposta que o estabelecimento de preços mínimos para o frete de cargas é inconstitucional e tende a elevar os custos tanto para produtor quanto consumidor.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) também considerou a medida provisória um "grande retrocesso".

INVESTIGAÇÃO

O Cade também está realizando "procedimento preliminar de investigação" para apurar se houve participação de empresas e associações dos setores de transporte rodoviário na mobilização dos caminhoneiros.

"Procuramos saber se houve movimento coordenado das empresas ou das associações para coordenar o movimento de paralisação", disse.

Segundo ele, as primeiras notificações começaram a ser emitidas na sexta-feira, e quem for acionado terá 15 dias para se manifestar.

O Cade divulgou ainda nesta terça-feira nove propostas para aumentar a concorrência no setor de combustíveis e, por consequência, reduzir os preços ao consumidor final.

"Apesar de o setor de combustíveis ser o principal alvo de denúncias de prática de cartel no Brasil, defende-se que nem todos os problemas desse mercado são provocados por condutas anticompetitivas", disse o Cade, acrescentando que as propostas já estavam sendo maturadas e discutidas internamente há algum tempo.

Entre as propostas, o Cade sugere reavaliação da proibição de verticalização do setor de varejo de combustíveis; permitir que produtores de álcool vendam diretamente aos postos; permitir postos autosserviços; e repensar a forma de tributação do combustíveis e também a substituição tributária do ICMS.

"O que se espera é, de maneira realista, incentivar o debate social e democrático a respeito de alguns temas específicos, que podem favorecer a concorrência no setor", disseram os pesquisadores responsáveis pelo estudo.

Barreto disse ainda que Cade e a Agência Nacional do Petróleo (ANP) criarão, a partir desta terça-feira, grupo de trabalho conjunto para "repensar questões regulatórias no setor de combustíveis".

(Por Leonardo Goy)

Mais Economia