IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Se eu ganhar a eleição, a Bolsa de Valores vai a 100 mil pontos, diz Alckmin

Por Eduardo Simões

30/07/2018 19h32

SÃO PAULO (Reuters) - O pré-candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, fez nesta segunda-feira (30), a previsão de que, se vencer a eleição de outubro, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo chegará ao patamar de 100 mil pontos. Nesta segunda, o Ibovespa fechou em alta, a 80.275,59 pontos.

O tucano disse que, se eleito, vai reduzir o Imposto de Renda sobre as empresas para estimular investimentos, e também afirmou que buscará desburocratizar e destravar a economia. Alckmin voltou a falar que, caso chegue ao Palácio do Planalto, zerará o déficit primário em até dois anos. A previsão de rombo nas contas públicas para este ano é de R$ 139 bilhões.

"Se nós ganharmos a eleição --modéstia à parte-- a Bolsa vai para 100 mil pontos, vai ter investimento e o país volta a crescer", disse o tucano durante entrevista à rádio BandNews FM.

"Eu vou reduzir o imposto chamado corporativo, que é o imposto de renda da pessoa jurídica, que é o que o Trump fez nos Estados Unidos. Com isso você estimula investimento."

Alckmin também foi indagado sobre sua aliança com o blocão --grupo de partidos formado por PP, DEM, PR, PRB e Solidariedade-- e a defendeu como necessária para assegurar governabilidade.

"Eu conversei com muitos partidos, eles vieram me apoiar eu não estando em primeiro lugar, porque é fácil apoiar quem está em primeiro lugar", disse o tucano.

"Não tenho compromisso nenhum, nenhum, nenhum, a não ser com o programa de governo", assegurou.

Alckmin reiterou na entrevista outra previsão, a de que nenhum partido conseguirá eleger sozinho o equivalente a 10% das cadeiras da Câmara dos Deputados. Por isso, ele defendeu o diálogo e disse que fará "um esforço conciliatório" caso chegue à Presidência.

Pesquisa CNI/Ibope divulgada no mês passado, antes das últimas movimentações políticas de sua campanha, Alckmin aparecia com apenas de 4% a 6% das intenções de voto.

Mais Economia