PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Dólar supera R$5 pela 1ª vez em meio a aversão a risco global; BC intervém com leilões

12/03/2020 11h04

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar chegou a superar 5 reais na manhã desta quinta-feira, mas reduzia a alta após ação do Banco Central, com os mercados tomados pela aversão a risco depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, proibiu viagens da Europa para os Estados Unidos, agravando as preocupações sobre o impacto econômico do coronavírus.

Às 11:03, o dólar avançava 3,93%, a 4,9060 reais na venda após dois leilões de dólar à vista pelo BC, mas chegou a tocar o recorde histórico de 5,0287 reais na máxima do dia.

O salto do dólar seguia restrições abrangentes de Donald Trump a viagens da Europa para os EUA, obrigando passageiros a remarcar voos e deixando os mercados globais em pânico conforme as medidas de prevenção contra a doença afetam as cadeias de suprimento globais, elevando os riscos de uma recessão econômica.

"Hoje, os mercados financeiros dão sequência ao caos instalado em função da expansão do coronavírus pelo mundo", disse em nota a Correparti Corretora.

"Ontem, a OMS reconheceu a enfermidade como uma pandemia, o que serviu para aprofundar o sentimento de fuga do risco pelos investidores. Além disso, a proibição dada pelo presidente norte-americano (...) serve para aprofundar ainda mais o desmonte dos mercados."

No exterior, a cautela generalizada impulsionava o dólar contra boa parte das divisas arriscadas, como rand sul-africano, lira turca, peso mexicano, dólar australiano e iuan chinês, que avançavam entre 0,7 e 3,7%. Enquanto isso, iene japonês e franco suíço, ativos considerados seguros, ganhavam contra a moeda norte-americana.

Somado à tensão internacional, o "fato de Congresso e governo domésticos estarem em conflito aumenta pressão" sobre o real, de acordo com Jefferson Laatus, sócio fundador do grupo Laatus.

O Congresso Nacional derrubou na quarta-feira veto presidencial a projeto que amplia o acesso ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), em um momento de acirramento da relação entre o Congresso e o Executivo tendo como pano de fundo a disputa pelo controle de recursos relacionados ao Orçamento Impositivo.

Na semana passada, questionado por jornalistas sobre a possibilidade de a cotação do dólar chegar a 5 reais, o ministro da Economia, Paulo Guedes havia dito que "muita besteira" deveria ser feita para patamar poder ser alcançado.

Nesta quinta-feira, Guedes disse que falou "no sentido de besteira cometida por presidente, ministro, oposição, Congresso, e é exatamente sinal como esse".

Em meio à disparada da moeda norte-americana, o Banco Central realizou nesta quinta-feira leilão de venda à vista de até 2,5 bilhões de dólares, em que vendeu 1,278 bilhão de dólares depois de cancelar o anúncio de venda de até 1,5 bilhão de dólares feito no dia anterior.

Depois de não conseguir vender o total da oferta, o BC anunciou novo leilão de até 1,25 bilhão de dólares em moeda à vista, vendendo apenas 332 milhões de dólares e, em seguida, outro leilão de até 1 bilhão em que nenhuma proposta foi aceita.

"O Banco Central não conseguiu vender tudo ofertado nos leilões porque não há demanda na ponta à vista. Está tendo demanda no (dólar) futuro, uma medida de proteção", disse Jefferson Laatus.

"Muita coisa vai acontecer ainda no dia de hoje, e a tendência é ver o BC fazendo vários leilões."

Na última sessão, a moeda norte-americana fechou em alta de 1,61%, a 4,7207 reais na venda, segunda mais alta cotação de fechamento da história. Esta é o 15° pregão de alta do dólar em 17 sessões.